País

Nomes, moradas, números de telefone: divulgados dados de 115 mil clientes da TAP

Avião da TAP.
Avião da TAP.
Getty Images

Entre os lesados estarão 19 funcionários governamentais portugueses.

O ataque informático à empresa TAP terá resultado na extração indevida e publicação de ficheiros com dados pessoais alegadamente pertencentes a 115 mil clientes. O jornal Público avança que o grupo de hackers Ragnar Locker ainda ameaça publicar até 1,5 milhões de dados pessoais. Há cerca de duas semanas, a companhia aérea tinha acionado medidas de contenção e remediação para proteger a empresa e os clientes.

Apesar das tentativas da empresa aérea, os hackers Ragnar Locker, que reivindicaram o ataque informático, acederam indevidamente aos dados pessoais de 115 mil clientes da TAP, incluindo funcionários governamentais.

Na base de dados constam pelo menos 19 clientes que se registam com um email com o domínio gov.pt, o que indica que integram organizações governamentais portuguesas, com a grande maioria a pertencer à Madeira e aos Açores.

Mas que dados são esses, concretamente? O jornal Público adianta que nos ficheiros partilhados pelos hackers constam informações como nome completo, morada, data de nascimento, nacionalidade, contacto telefónico, entre outros.

A confirmar-se esta informação, a ameaça dos hackers poderia representar uma das maiores divulgações de dados pessoais em Portugal.

O Público questionou a TAP, que reconheceu não ter sido possível evitar que alguns dados caíssem na posse dos hackers. Porém, sublinha que os dados de pagamento, como números de cartões de crédito, não foram comprometidos.

A companhia aérea está a enviar e-mails aos clientes cujos dados pessoais constam na informação que foi comprometida durante o ataque informático e pede atenção redobrada a comunicações não solicitadas.

A companhia aérea foi alvo de um ciberataque durante a noite de 25 de agosto.

"O plano de contingência da TAP continua ativo e a companhia está a trabalhar em articulação com as autoridades com competências nesta matéria", sublinhou num comunicado.

Últimas Notícias
Mais Vistos