País

Governo prepara plano para que haja mais portugueses em instituições europeias

Governo prepara plano para que haja mais portugueses em instituições europeias
Horacio Villalobos
"Creio que em outubro seguramente tê-lo-emos [o plano] aprovado e publicado", revelou o secretário de Estado dos Assuntos Europeus.

O Governo deverá aprovar e apresentar em outubro um plano de ação para fazer com que haja mais portugueses a trabalhar nas instituições europeias, disse esta quinta-feira à Lusa, o secretário de Estado dos Assuntos Europeus.

Em entrevista à agência, em Bruxelas, Tiago Antunes, recordou que assumiu como "uma prioridade desde o início" do seu mandato trabalhar para contrariar o que classifica como “uma sub-representação de Portugal nas instituições europeias”. Revelou que o Governo, em articulação com a Comissão Europeia, está a concluir um documento com a estratégia nacional, que espera aprovar e disponibilizar publicamente no próximo mês.

"A Comissão divulgou em abril deste ano uma nova estratégia de recursos humanos, onde reconhece um objetivo prioritário de promover o equilíbrio geográfico nos seus quadros de pessoal, coisa que neste momento não existe em relação a vários Estados-membros. Há vários Estados-membros que estão sub-representados, alguns deles significativamente sub-representados, como é o caso de Portugal, de acordo com números da Comissão Europeia. Portanto, o diagnóstico está feito pela própria Comissão Europeia", salientou.

Logo na sua primeira deslocação a Bruxelas, em abril, o secretário de Estado reuniu-se com o comissário responsável pelos recursos humanos, Johannes Hahn, tendo entretanto reunido igualmente com a diretora-geral de recursos humanos da Comissão, pelo que já foi iniciado "o trabalho de elaboração de um programa de ação", num plano mais técnico.

Apontando que Bruxelas assume a "necessidade de adotar medidas especificas para corrigir esta sub-representação", o governante vincou que "essas medidas são diferentes de Estado-membro para Estado-membro, porque os problemas não são idênticos em todos os Estados-membros".

"Por isso, uma das estratégias da Comissão será a aprovação de planos de ação para cada um dos Estados-membros sub-representados, e nós estamos a trabalhar com a Comissão na elaboração desse plano de ação. E uma das peças chave que irá depois informar esse plano de ação da comissão é a nossa estratégia nacional. Portanto, nós estamos a fazer um documento nacional, com um conjunto de medidas, que aprovaremos e adotaremos", explicou, dando conta de que "o plano está numa fase já bastante consolidada".

"Creio que em outubro seguramente tê-lo-emos aprovado e publicado e disponibilizado publicamente", disse.

Para a elaboração do plano nacional, o secretário de Estado tem mantido múltiplas reuniões, incluindo com portugueses que trabalham nas instituições, porque o objetivo é que "este plano seja o mais participado e resulte também da auscultação de quem é diretamente interessado".

"Por exemplo, tive ontem [quarta-feira] uma reunião com um largo número de portugueses que são agentes contratuais ou agentes temporários, portanto pessoas que já trabalham nas instituições mas sem vinculo permanente, e a maior parte deles tem a expectativa de vir a entrar nos quadros das instituições europeias, e estivemos a ver estratégias e que ferramentas e mecanismos podem ser mais adequados para os ajudar a conseguir esse objetivo, objetivo esse que é do interesse nacional, que é do interesse de Portugal", referiu.

Apontando que a estratégia com vista a colmatar o défice de representação nas instituições só "entrará em pleno vigor com o novo regime de concursos de acesso à Comissão Europeia, o que ocorrerá em torno de março do próximo ano", Tiago Antunes sublinhou que, todavia, há algumas medidas da estratégia nacional "que começam desde já, designadamente a título de projeto piloto".

"Para um concurso em curso mais específico, para a área do espaço e defesa, estamos já a iniciar um projeto piloto de formação e preparação dos candidatos nacionais que se apresentaram a esse concurso", adiantou.

O secretário de Estado dos Assuntos Europeus afirmou-se convicto de que a nova estratégia dará frutos em breve.

"Estou convencido que conseguiremos rapidamente ver resultados. Nós temos um número elevado de candidatos e estou em crer que se eles estiverem melhor preparados, com uma preparação mais direcionada exatamente ao que se pretende e se avalia neste tipo de concursos, rapidamente começaremos a ver resultados e começaremos a ver mais portugueses a terem sucesso e a entrarem nas instituições", disse.

Tiago Antunes admite que a intenção de Portugal não é só ter mais portugueses a trabalhar nas instituições, mas também a chegarem a altos cargos.

"Nós temos neste momento um défice quer na base, quer em níveis de maior responsabilidade. Designadamente, pela primeira vez não temos nenhum diretor-geral na Comissão Europeia, e a colocação de portugueses nesses lugares de maior responsabilidade é também outro dos eixos da estratégia. Pretendemos colmatar essa situação", concluiu.

Últimas Notícias
Mais Vistos