País

"Boicotem o Mundial do Qatar": o apelo às três principais figuras do Estado português

"Boicotem o Mundial do Qatar": o apelo às três principais figuras do Estado português
NASEEM ZEITOON

A associação Frente Cívica apelou esta quinta-feira ao Presidente da República, ao presidente da Assembleia da República e ao primeiro-ministro para que não se desloquem ao Qatar para assistir a qualquer jogo do Campeonato Mundial de Futebol.

A apenas três dias do arranque do campeonato do Mundo, associação escreveu às três principais figuras do Estado apelando ao boicote do Mundial 2022, alertando Marcelo Rebelo de Sousa, Augusto Santos Silva e António Costa “para as violações de direitos humanos e a corrupção associadas ao evento”.

"Infelizmente, demasiadas entidades, públicas e privadas, políticas e empresariais, a nível nacional e internacional, têm pactuado com todos estes abusos, emprestando aos organizadores deste evento um manto de legitimidade e respeitabilidade que não merecem", aponta a missiva, assinada pelo presidente da Frente Cívica, Paulo de Morais, e pelo vice-presidente João Paulo Batalha.

Assinalando “o compromisso das Câmaras Municipais de Lisboa e Porto de não instalarem fan zones, em linha com acções semelhantes tomadas por várias cidades europeias”, a Frente Cívica defende que “o exemplo tem de vir de cima”, pelo que apela a que Marcelo, Santos Silva e Costa “não se desloquem ao Qatar”.

"Portugal é mais do que uma equipa de futebol ou um evento desportivo. É, como expressa o Artigo 1º da nossa Constituição, “uma República soberana, baseada na dignidade da pessoa humana e na vontade popular e empenhada na construção de uma sociedade livre, justa e solidária”.

É possível, porém, que este apelo tenha chegado tarde. Esta semana o semanário Expresso avançou que as três principais figuras do Estado português - Presidente da República, Presidente da Assembleia da República e primeiro-ministro - vão assistir aos jogos de Portugal na fase de grupos do Mundial.

Lembrava o Expresso que esta tem sido a “prática” nas últimas competições internacionais e este ano não será exceção.

Tudo sobre o Mundial 2022

Últimas Notícias