Daniel Oliveira e Poiares Maduro debateram Ao vivo na Redação as conclusões da leitura do acórdão do juiz Ivo Rosa. Falou-se na falta de "ética e cultura política", mas também do papel que o futuro pode reservar para José Sócrates: "nenhum" ou "já vi muitas pessoas declaradas mortas na política ressuscitarem".

Miguel Poiares Maduro considera que a importância de considerar a separação das águas ("à politica o que é da política, à justiça o que é da justiça") não devia impedir que se façam discussões éticas sobre comportamentos políticos, mas admite que, no atual quadro político, o debate acabe por não acontecer. O ex-governante do PSD foi um dos intervenientes no debate desta terça-feira.

Daniel Oliveira entende que a razão pela qual a democracia está em crise não se prende com a existência de mais ou menos casos de corrupção, mas porque vivemos um momento histórico em que "as pessoas sabem que o seu futuro vai ser pior do que o seu passado".

Para Daniel Oliveira, faz sentido discutir a cultura e a ética política mas sem perder de vista que a democracia deu um salto em Portugal, a partir do momento em que "temos um primeiro-ministro a ser julgado".

A personalização e o formalismo excessivo dos megaprocessos judiciais recolhe críticas dos dois convidados que fizeram, com a editora de Política da SIC Cristina Figueiredo, mais uma leitura da decisão instrutória da Operação Marquês.

A democracia ficou a ganhar ou a perder? A pergunta abre o debate (pode assistir na íntegra mais acima) moderado pela jornalista Paula Santos a partir da redação da SIC e do Expresso.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão