Descobridores

Tremoços, mentol, medicamentos e o químico português que foi Cientista do Ano na Áustria

Miriam Alves

Miriam Alves

Jornalista Grande Reportagem SIC

É o protagonista do terceiro episódio da série Descobridores. Nuno Maulide tem em curso projetos tão diversos como extrair produtos valiosos da água dos tremoços, fazer da produção de mentol um processo menos agressivo para o ambiente ou reinventar a criação de moléculas para novos medicamentos que possam vir a tratar doenças até agora incuráveis.

Eleito Cientista do Ano na Áustria em 2019 e um dos mais apreciados comunicadores de ciência no país, Nuno Maulide vê-se muitas vezes forçado a lembrar que a Química não é boa nem má. Decisivo é o que fazemos com ela.

SIC

Chama-lhe "a ciência possibilitadora" e defende que todos temos a ganhar com uma melhor compreensão da Química.

"Na medida em que as pessoas que tomam decisões deixariam de as tomar por medo irracional de algo que não percebem, mas sim com uma compreensão do que estão a fazer. Também para percebermos que os problemas criados pela nossa utilização dos compostos podem ser resolvidos com o auxílio da Química. E também na medida em que deixaríamos de dizer coisas tão ridículas como: "Eu não quero químicos na minha comida". Porque tudo, incluindo uma maçã, é um conjunto de compostos químicos. E o nosso corpo precisa desses compostos químicos para a sua actividade."

SIC

O nosso corpo que é, ele próprio, "uma máquina de produção e degradação de moléculas químicas a uma velocidade enorme, de milhões de moléculas por segundo. A cada segundo que estou a falar consigo há milhões de reações químicas a terem lugar no nosso corpo. Que são essenciais para eu poder falar, olhar, pensar, sentir, cheirar ou ver".

Nuno Maulide recebeu as mais importantes bolsas e distinções europeias. Em 2021 o investigador português de 41 anos tornou-se o mais novo - e o único estrangeiro fora dos países germanófonos - a ser eleito membro permanente da Academia de Ciências Austríaca.

"E uma das dimensões de que eu gosto mais na comunicação de ciência é ir ao encontro de comunidades desfavorecidas, onde há mais emigrantes, mais pessoas com percursos de vida difíceis. Muitas daquelas crianças não imaginam que poderiam aspirar a ser professores catedráticos na Universidade de Viena. E de repente vêem-me a mim, que não sou nem velho, nem branco, nem daqui... E pensam: se calhar, eu até posso."

É também pianista e encontra "ligações infinitas entre a ciência e a música". Por exemplo: "Reproduzir em laboratório produtos criados pela Natureza ao longo de milhões de anos é comparável a compor uma sinfonia".

É o protagonista do 3º episódio da série Descobridores.

PARA VER NA ÍNTEGRA EM OPTO.PT

Ficha Técnica

Jornalista: Miriam Alves

Imagem: André Miguel e José Silva

Edição de Imagem: Rui Berton

Grafismo: Patrícia Reis

Produção editorial: Diana Matias

Ilustração: João Carlos Santos

Colorista: Rui Branquinho

Pós-Produção Áudio: Edgar Keats

Coordenação: Marta Reis

Direção: Marta Reis e Ricardo Costa

► A PÁGINA DOS DESCOBRIDORES