Grande Reportagem SIC

"Há hospitais em que o pai não entra, apesar do direito de acompanhamento da grávida estar reconhecido na lei"

Miriam Alves

Miriam Alves

Jornalista Grande Reportagem SIC

Mães, pais e profissionais de saúde guiaram a Grande Reportagem SIC ao longo de seis meses, em várias geografias. "O Sol, quando nasce" é o retrato de um país a muitas velocidades.

Mais de 85 mil bebés nasceram em Portugal no último ano. Que impacto teve a pandemia na forma como se viveu o momento irrepetível do nascimento de um filho? Como se adaptaram e organizaram os hospitais? O que já sabemos sobre a covid-19 na gravidez e nos recém-nascidos?

Pais e profissionais de saúde respondem a estas perguntas na Grande Reportagem, transmitida esta quinta-feira, no Jornal da Noite. "O Sol, Quando Nasce" é um trabalho da autoria da jornalista Miriam Alves, que esteve hoje na Edição da Manhã.

De acordo com a jornalista da SIC, há hospitais que não se adaptaram à realidade imposta pela pandemia e que mantêm os mesmo procedimentos da primeira vaga, quando o novo coronavírus chegou a Portugal.

Há quatro unidades de obstetrícia, das 43 pertencentes ao Serviço Nacional de Saúde, que não permitem o acompanhamento da grávida no parto apesar de estar previsto na lei que a grávida tem direito a estar acompanhada, e que separam o recém-nascido da mãe se esta estiver infetada com covid-19. Esses hospitais nunca responderam ao pedido de esclarecimento da SIC, feito há seis meses.

A falta de adaptação de alguns hospitais leva os pais a procurarem outras soluções. Por exemplo, o hospital de Santa Maria, em Lisboa, tem recebido grávidas do Alentejo, nomeadamente de Beja e Évora.

"Há diferenças entre regiões, é um foco de desigualdade", sublinha Miriam Alves.

Os relatos, que vão poder ser vistos e ouvidos no Jornal da Noite desta quinta-feira, mostram que a falta de acompanhamento deixa marcas nas mães e nos pais.

Veja também:

A PÁGINA DA GRANDE REPORTAGEM SIC