Saúde e Bem-estar

Procedimentos minimamente invasivos para tratamento de problemas graves na válvula aórtica

Procedimentos minimamente invasivos para tratamento de problemas graves na válvula aórtica

Rui Campante Teles, cardiologista, esteve na Edição da Manhã.

Cerca de 1 em cada 15 portugueses, com mais de 80 anos, é vítima de problemas graves na válvula aórtica, uma das doenças cardíacas mais comuns na população portuguesa idosa. No entanto, a Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) afirma que todos os doentes com estenose aórtica grave e sintomática podem ser tratadas com recurso a procedimentos minimamente invaisvos. Rui Campante Teles, cardiologista e membro da APIC, esteve na Edição da Manhã.