Saúde e Bem-estar

Novo tratamento para a sépsis - a doença responsável por 20% das mortes no mundo

POOL New

Saiba o que é a sépsis e de que forma um estudo do Instituto Gulbenkian de Ciência contribuiu para novas possíbilidade de tratamento.

Cientistas do Instituto Gulbenkian de Ciência descobriram que uma hormona que a indústria farmacêutica está a estudar para tratar a obesidade diminui a resistência do organismo às infeções provocadas por bactérias.

A hormona GDF15 é um fator de risco para a sépsis, uma doença potencialmente fatal caracterizada por uma "resposta desregulada do organismo a uma infeção levando ao mau funcionamento dos órgãos".

Em comunicado, o Instituto indica que a investigação coordenada por Luís Moita mostra como "numa altura em que muitos grupos e empresas farmacêuticas diferentes estão a considerar a administração de GDF15 como uma possível terapia complementar na obesidade, é importante ter em conta que esta estratégia terapêutica pode aumentar o risco de infeção grave, incluindo sépsis".

A investigação, em que também trabalharam cientistas em França, na Alemanha e na Coreia do Sul, foi publicada na revista científica da Academia Nacional das Ciências norte-americana.

O que é a sépsis?

A sépsis afeta milhões de pessoas todos os anos, estimando-se que seja responsável por 20 por cento das mortes por ano em todo o mundo. De acordo com um estudo publicado na revista Lancet, em 2017 morreram 11 milhões de pessoas com sépsis.

A equipa liderada por Luís Moita descobriu que a hormona, cuja presença no corpo aumenta em casos de obesidade, doenças pulmonares ou cardiovasculares, tem "um efeito crítico na infeção.

O que concluiu o estudo

Usando amostras de sangue de doentes com sépsis e de outros saudáveis, concluíram que "os pacientes com sépsis tinham níveis mais aumentados de GDF15 em comparação com os outros grupos, e que os níveis mais elevados dessa hormona se correlacionavam com a mortalidade".

Estudando ratos que não tinham a hormona, descobriram que sobreviviam "melhor a uma infeção bacteriana abdominal que imita a sépsis em pacientes humanos".

O que aconteceu foi que conseguiam "recrutar substancialmente mais glóbulos brancos, especificamente neutrófilos, para o abdómen, controlando assim melhor a infeção localmente e impedindo que esta se alastrasse rapidamente para o resto do organismo".

Os resultados da investigação apontam para a possibilidade de poder haver um novo tratamento para a sépsis com um anticorpo monoclonal bloqueador que iniba a ação do GDF15.

  • 20 anos da tragédia de Entre-os-Rios

    País

    A 4 de março de 2001, a Ponte Hintze Ribeiro, que ligava Entre-os-Rios a Castelo de Paiva, caiu e arrastou para o Douro três carros e um autocarro. Não houve sobreviventes, 59 pessoas morreram, 36 corpos nunca foram encontrados. Acompanhe aqui a emissão especial da SIC Notícias.

    Direto

    SIC Notícias

  • O cartão amarelo que não se percebe 

    Opinião

    Despir a camisola aquando da celebração de um golo é proibido pelas leis de jogo. Penso que toda a gente sabe disso. Aliás, basta apenas que um qualquer jogador cubra a cabeça usando essa peça de equipamento para ser sancionado.

    Duarte Gomes