Saúde e Bem-estar

Crianças e jovens com uma dieta pobre são mais baixos

Valerie Baeriswyl

Foram analisados dados de 65 milhões de crianças e jovens de todo o mundo, entre os cinco e os 19 anos.

A má alimentação contribui para uma diferença na altura e no peso das crianças e adolescentes. A diferença média na altura pode ser de 20 centímetros e no peso de 25 quilos, entre os jovens de 19 anos de países com uma dieta saudável comparados com jovens de países com uma dieta pobre.

Um estudo do Imperial College London, publicado na revista The Lancet, concluiu que esses indicadores de saúde e de qualidade de vida variam em todo o mundo. Foram analisados dados de 65 milhões de crianças e jovens, entre os cinco e os 19 anos. No total, os especialistas analisaram mais de dois mil estudos, entre 1985 e 2019.

A análise revela que, no ano passado, os rapazes de 19 anos mais altos viviam na Holanda. Tinham, em média, cerca de 1,83 metros de altura. Já os mais baixos eram de Timor Leste, com 1,60 metros.

Nesse ano, os adolescentes mais altos do mundo eram de países do noroeste e centro da Europa, enquanto os mais baixos viviam no Sul e Sudeste Asiático, na América Latina e na África Oriental.

Por exemplo, os jovens de 19 anos de Laos tinham a mesma altura que um rapaz de 13 anos da Holanda: cerca de 1,62 metros. Já raparigas de 19 anos do Guatemala, Bangladesh, Nepal e Timor Leste tinham a mesma altura que holandesas de 11 anos.

Nos últimos 35 anos, o maior aumento na altura das crianças e jovens ocorreu na China e na Coreia do Sul. No entanto, em países africanos as alturas permanceram inalteradas.

O estudo analisou também o IMC das crianças e jovens. Concluiu que os adolescentes com maior IMC viviam nas ilhas do Pacifico, no Médio Oriente, nos Estados Unidos na Nova Zelândia. Já os jovens com o IMC mais baixo eram de países como a Índia e o Bangladesh.

IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE AO LONGO DO TEMPO

Os especialistas defendem que é importante acompanhar as diferenças na altura e no peso das crianças e jovens de todo o mundo ao longo do tempo, uma vez que refletem como a qualidade da comida e o ambiente em que vivem influencia a saúde.

Reconhecem que a genética é importante para a altura e para o peso. No entanto, defendem que a nutrição e o meio ambiente são fundamentais para um crescimento saudável.

Uma das especialistas, a médica Andrea Rodriguez Martinez, diz que o peso e a altura saudáveis até aos 19 anos trazem benefícios para o bem-estar durante toda a vida.

Veja também:

  • Não estou de acordo

    Opinião

    Não estou de acordo com métodos medievais para enfrentar uma pandemia. Se os vírus evoluíram, a organização da sociedade também deveria ter evoluído o suficiente para os combater de outra forma. O recolher obrigatório é próprio dos tempos obscuros e das sociedades não democráticas. Proibir as pessoas de circular na rua asfixia a economia e não elimina a pandemia.

    José Gomes Ferreira