Saúde e Bem-estar

DGS emite norma para vacinar contra gastroenterite por rotavírus crianças de grupos de risco

Entre 2010 e 2017 foram internadas, por ano, cerca de 615 crianças com menos de seis anos com gastroenterite por rotavírus.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu esta sexta-feira uma norma sobre a vacinação de crianças pertencentes a grupos de risco contra gastroenterite por rotavírus, uma situação que obriga a mais de 600 internamentos por ano em Portugal.

"Ouvida a Comissão Técnica de Vacinação (CTV) e peritos do seu grupo alargado, bem como a Sociedade Portuguesa de Pediatria, foi decidido considerar como grupos de risco para vacinação contra rotavírus crianças pré-termo, de baixo peso e portadoras de doenças graves, diagnosticadas à data do início da vacinação, uma vez que possuem risco acrescido de internamentos prolongados e repetidos, havendo potencial para transmissão nosocomial e doença grave por rotavírus", refere a norma assinada pela diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Segundo o documento, os dados de hospitais do Serviço Nacional de Saúde registados em crianças com menos de seis anos, entre 2010 e 2017, indicaram que, em cada ano, são internadas cerca de 615 crianças com gastroenterite por rotavírus.

A maioria desses internamentos hospitalares ocorreram em crianças com menos de 2 anos e foram de curta duração, com uma média de três a quatro dias, e não se registaram mortes atribuídas a doença por rotavírus nesta faixa etária.

Atualmente estão disponíveis no mercado português duas vacinas contra a gastroenterite por rotavírus, a Rotarix e a Rotateq.

Ao abrigo desta norma são consideradas pertencentes aos grupos de risco as crianças com doença cardiovascular grave, doença hereditária do metabolismo, doença hepática, doença renal e doença neurológica, assim como com baixo peso à nascença, hiperplasia suprarrenal congénita, fibrose quística e insuficiência respiratória crónica do lactente.

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias