Notícias

Diagnóstico do cancro: Projeto pioneiro na Universidade de Coimbra

Este projeto, pioneiro no mundo, pode resolver a escassez de gálio, um produto fundamental nos diagnósticos médicos.

A Universidade Coimbra desenvolveu um acelerador de partículas (ciclotrão) que vai permitir o diagnóstico mais rigoroso dos cancros da próstata e do pâncreas.

Esta nova técnica aperfeiçoa a produção do isótopo Gálio-68, fundamental para o diagnóstico daquele tipo de cancros.

O projeto teve um investimento de dois milhões de euros e foi desenvolvido em parceria com a multinacional belga IBA e o Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS) da Universidade de Coimbra.

A tecnologia para a produção do referido isótopo e sua transformação em radiofármaco foi desenvolvida exclusivamente pelo ICNAS e a criação de ciclotrões contou com a colaboração da IBA, um dos maiores fabricantes de ciclotrões do mundo.

Logo que o primeiro ciclotrão deste tipo seja validado pela Universidade de Coimbra, a sua produção pela IBA poderá avançar para todo o mundo.

Com cerca de dois metros de altura e largura e 17 toneladas de peso, o acelerador transforma água em Flúor-18 (o isótopo mais utilizado para diagnóstico de cancro) e, a partir de agora, passa a transformar uma solução onde está dissolvido zinco (um elemento estável e presente na natureza) em Gálio-68, um elemento radioativo. É a “alquimia do século XXI”, segundo o coordenador do projeto, Francisco Alves.

A DESCOBERTA PODERÁ MUDAR POR COMPLETO O ACESSO AO DIAGNÓSTICO DOS TUMORES DO PÂNCREAS E DA PRÓSTATA QUE, MUITAS VEZES, NÃO SÃO DETETADOS NOS EXAMES CLÁSSICOS.

É este elemento radioativo que poderá mudar por completo o acesso ao diagnóstico dos tumores do pâncreas e da próstata que, muitas vezes, não são detectados nos exames clássicos e cuja descoberta precoce é muito importante.

Tornar o gálio mais acessível reveste-se da maior importância, já que, como salientou o diretor do ICNAS, Antero Abrunhosa, a falta do gálio é um problema global.

Recorde-se que, no ano passado, a Associação Americana de Medicina Nuclear para a agência norte-americana FDA (equivalente à INFARMED), alertou que a solução para a falta desse isótopo poderia estar na Europa, através da tecnologia criada em Coimbra.

Notícias

Mais