Cultura

Artistas pedem a Conan Osiris que boicote Eurovisão em Israel

Pedro Pina / LUSA

"Conan Osíris, vimos por este meio pedir-te que não vás a Telavive em representação de Portugal na Eurovisão, respondendo ao apelo do povo oprimido palestiniano."

Mais de 40 artistas portugueses apelaram, numa carta aberta, ao cantor Conan Osiris para que não vá a Israel em maio representar Portugal no Festival Eurovisão da Canção, "respondendo ao apelo do povo oprimido palestiniano".

"Conan Osíris, vimos por este meio pedir-te que não vás a Telavive em representação de Portugal na Eurovisão, respondendo ao apelo do povo oprimido palestiniano", começam por dizer os artistas na carta aberta divulgada hoje.

Entre os subscritores da missiva estão o diretor artístico do Teatro Nacional D. Maria II, Tiago Rodrigues, músicos como José Mário Branco, Chullage, Francisco Fanhais e Vítor Rua, a realizadora Raquel Freire, escritores, entre os quais Alexandra Lucas Coelho e Afonso Cruz, a coreógrafa e bailarina Olga Roriz, artistas plásticos como Joana Villaverde, e atores, entre os quais Maria do Céu Guerra, Pedro Lamares e Sara Carinhas.

Para os mais de 40 artistas que assinam a carta, Conan Osiris marcar presença no concurso "seria ignorar o cerco ilegal que Israel mantém a 1,8 milhões de palestinianos em Gaza, negando-lhes os direitos mais básicos".

"Entre 41 quilómetros de comprimento por seis a 12 de largura, os habitantes vivem com água racionada, estão cercados por muros e soldados, são agredidos e assassinados de forma impune. A ONU considera que Gaza é 'inabitável'", recordam.

Os subscritores da carta consideram que Conan Osiris conseguiu "deslumbrar Portugal" com a sua "música e honestidade", e pedem-lhe que não deixe que Israel use a sua "arte para branquear os seus crimes contra o povo palestiniano".

"Junta-te a milhares de artistas de todo o mundo que se expressaram contra a Eurovisão em Israel", pedem, garantindo que o apoiarão: "estaremos contigo".

Os artistas alertam o músico que "a escassos minutos" de onde vai decorrer o Festival Eurovisão da Canção, "vivem ainda 2,7 milhões de palestinianos aprisionados por um muro de apartheid ilegal".

"O parlamento israelita aprovou este estado de apartheid através da 'Lei do Estado-Nação do povo judeu', que declara a superioridade racial de israelitas judeus. Já foi condenada pela União Europeia, incluindo por Portugal", referem.

Israel acolhe este ano o concurso, porque no ano passado foi o país vencedor, com Netta Barzilai e o tema "Toy". Em Lisboa, onde decorreu a final, lembram os artistas, a cantora "emocionou-se, a festa fez-se com luzes, música e estrondo", mas "dois dias depois, o estrondo foi outro: soldados israelitas massacraram 62 palestinianos, incluindo seis crianças".

"Da mesma forma que artistas tiveram um papel histórico e decisivo na luta contra o apartheid sul-africano, recusando-se a tocar em Sun City, artistas de todo o mundo juntam-se neste momento histórico ao boicote cultural a Israel", acrescentam.

Este não é o primeiro apelo que é feito ao representante de Portugal no Festival Eurovisão da Canção da canção para que boicote o concurso.

Ainda este mês, o músico britânico Roger Waters, um dos fundadores dos Pink Floyd, dirigiu uma carta aberta a Conan Osiris, e aos outros finalistas deste ano, na qual revelava que tinha escrito "há alguns dias", uma carta particular ao "jovem e talentoso cantor português".

Na carta, Roger Waters afirmava ter ouvido a música "Telemóveis", que Conan Osiris vai levar à Eurovisão, e obteve uma tradução da letra, "bem profunda", que era "sobre usar o telemóvel dele para fazer perguntas sobre a vida, a morte e o amor".

"Então, escrevi-lhe e sugeri-lhe que tinha a oportunidade de falar pela vida, sobre a morte e também pelos direitos humanos, sobre os erros humanos. Como? De pé, lado a lado com seus irmãos e irmãs oprimidos na Palestina. Ele pode demonstrar solidariedade aos 189 manifestantes desarmados mortos a tiros por atiradores de Israel em Gaza no ano passado, incluindo pelo menos 35 crianças", disse o músico.

Roger Waters considera que, entre os 42 finalistas da Eurovisão, o representante português é aquele que tem "amor suficiente no coração para se erguer e fazer a diferença", ao "defender o lado certo da história", bastando-lhe, para isso, "fazer a coisa certa" e ser "o tal".

Até hoje, Conan Osiris não respondeu ao apelo de Roger Waters. Numa entrevista a um canal de televisão israelita, quando questionado sobre se era verdade que Roger Waters lhe tinha enviado uma carta Conan Osiris respondeu: "Bem, é o que se vê".

De acordo com o regulamento do concurso, os concorrentes não podem tomar posições políticas, correndo o risco de serem desclassificados.

Antes de Roger Waters, no início de março, já o Comité de Solidariedade com a Palestina, o SOS Racismo e as Panteras Rosa tinham apelado a Conan Osiris para não ir a Telavive representar Portugal, em solidariedade com artistas palestinianos.

Este ano, 41 países disputam o Festival Eurovisão da Canção. O representante de Portugal atua na primeira semifinal, marcada para 14 de maio. A segunda final decorre a 16 de maio e a final está marcada para dia 18 do mesmo mês.

Com Lusa

  • Carro de Santana Lopes não tinha seguro?
    1:44