Cultura

Caretos de Podence são Património da Humanidade

Os Caretos durante o desfile de Carnaval em Podence, Macedo de Cavaleiros.

PEDRO SARMENTO COSTA

Ritual de Entrudo das Festas de Inverno do Nordeste Transmontano classificado pela UNESCO.

Os Caretos de Podence foram hoje classificados pela UNESCO como Património Imaterial da Humanidade.

O Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da Organização das Nações Unidas para a Ciência, Educação e Cultura (UNESCO, na sigla em inglês) começou a analisar, na quarta-feira, a lista de 42 nomeações de todo o mundo.

De acordo com informação disponibilizada pela UNESCO, a candidatura portuguesa era a 30.ª de uma lista de 42 a ser analisada e votada no quarto dia de trabalhos do Comité Internacional da UNESCO, já depois da aprovação das classificações da Morna, de Cabo Verde, e do Complexo Cultural do Bumba Meu Boi, no Brasil.

O ritual do Entrudo Chocalheiro

Única candidatura portuguesa

As "Festas de Inverno Carnaval de Podence" constituem a única candidatura selecionada pelo Governo português para representar Portugal nesta que é a 14.ª reunião do comité.

A candidatura dos Caretos de Podence a Património Cultural Imaterial da Humanidade foi considerada "exemplar" pelo organismo das Nações Unidas que tutela as manifestações culturais consideradas como Património Imaterial da Humanidade.

Cabe, no entanto, ao comité independente, constituído por diversos países, a decisão de entrada na lista onde já constam o Fado, o Cante Alentejano, a Dieta Mediterrânica, a Falcoaria e os chamados "Bonecos de Estremoz".

A candidatura portuguesa foi apresentada em março de 2018 e o promotor foi o Município de Macedo de Cavaleiros, em parceria com a Associação dos Caretos de Podence.

O processo desta candidatura foi iniciado em 2014, com uma equipa técnica científica liderada por Patrícia Cordeiro.

Três anos depois, esta tradição foi reconhecida pelo Governo português com o estatuto de Património Cultural Imaterial de Portugal. No mesmo ano, em 2017, o plenário da Assembleia da República, por unanimidade, deu um voto de saudação ao Carnaval dos Caretos.

Os mais emblemáticos mascarados das tradições transmontanas têm representado Portugal em eventos internacionais com presença em dez países.

Já foram também distinguidos pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) com a emissão de uma moeda da "Etnografia Portuguesa" dedicada aos Caretos de Podence.

Caretos de Podence distinguem-se dos restantes em Trás-os-Montes

Os Caretos de Podence marcam a folia de Carnaval no Nordeste Transmontano com coloridos e farfalhudos fatos, máscaras de ferro ou lata, chocalhos à cintura e um pau para amparar as tropelias.

Em toda a região de Trás-os-Montes há Caretos, todavia os de Podence distinguem-se dos restantes pelo chocalho, daí o nome da festa ser "Entrudo Chocalheiro".

É apontado como "o mais genuíno carnaval português", sem samba, ao ritmo da tradição.

As ruidosas manifestações dos Caretos atraem, durante quatro dias, à aldeia de Podence com cerca de 180 habitantes, milhares de curiosos portugueses e estrangeiros.

Os Caretos de Podence são dos mais mediáticos da região e já inspiraram vários documentários sobre estas festas, o mais antigo dos quais de 1976, da autoria de Noémia Delgado, com o título "Máscaras".

Apenas alguns dias antes do início da reunião do comité da UNESCO, na Colômbia, a banda portuguesa Quinta do Bill divulgou uma canção que criou para os Caretos de Podence e que serve de hino na caminhada para Património da Humanidade.

"Olhem os Caretos" é o título da canção com letra de Sebastião Antunes e oferecida aos tradicionais mascarados do concelho de Macedo de Cavaleiros e que mostra do que são capazes estes rapazes do "mistério de Podence", por detrás das máscaras.

Com Lusa