Cultura

Uma campanha para ajudar as livrarias independentes

Centésima Página

Antígona e Orfeu Negro lançam campanha "Adopta uma livraria - 10 Dias, 10 Livrarias" entre os dias 14 e 23 de abril.

As editoras Antígona e Orfeu Negro lançaram uma campanha conjunta para ajudar as livrarias independentes, encerradas e em dificuldades devido à Covid-19, através de apoio financeiro resultante de vendas 'online', e desafiam outras editoras a juntarem-se com novas ideias.

O anúncio foi feito por ambas, em comunicado, especificando que, desta forma, as duas editoras, também elas independentes, querem "alertar o público para a situação cada vez mais frágil das livrarias independentes".

Intitulada "Adopta uma livraria -- 10 Dias, 10 Livrarias", esta campanha de vendas 'online' decorre entre os dias 14 e 23 de abril (Dia Mundial do Livro), e visa dar às livrarias um terço do valor adquirido nas vendas. "Os leitores que encomendarem livros nos 'sites' da Antígona ou da Orfeu Negro estarão a apoiar diretamente a livraria designada para esse dia: 30% do valor líquido das suas compras reverte para a livraria. Além disso, terão 10% de desconto sobre o PVP (Preço de Venda ao Público) de cada livro e portes gratuitos", esclarece a nota.

Cada editora selecionou "as suas 10 livrarias independentes", de norte a sul do país, ou seja, são 20 livrarias ao todo, e em cada um dos dez dias de campanha, vão estar a ser beneficiadas duas livrarias, uma selecionada pela Antígona e outra pela Orfeu Negro.

Assim, e por ordem de dias, as livrarias assinaladas pela Antígona são a 100.ª Página (Braga), Escriba (Almada), Fonte de Letras (Évora), Ler Devagar (Lisboa), A das Artes (Sines), Tigre de Papel (Lisboa), Culsete (Setúbal), Snob (Lisboa), Flâneur (Porto) e Arquivo (Leiria).Já a Orfeu Negro (distinguida no ano passado na Feira do Livro Infantil de Bolonha com o prémio de Melhor Editora Europeia de Livro Infantil) dá parte do destaque a livrarias dedicadas ao livro ilustrado.Sendo assim, as livrarias escolhidas para cada um dos dias são a Livraria Ler (Lisboa), Hipópomatos na Lua (Sintra), Arquivo (Leiria), Gigões e Anantes (Aveiro), Salta Folhinhas (Porto), Aqui há Gato (Santarém), 100.ª Página (Braga), Fonte de Letras (Évora), Faz de Conto (Coimbra) e Tigre de Papel (Lisboa).

As equipas da Orfeu Negro e da Antígona consideram que "é muito importante que as editoras e as livrarias independentes estejam unidas nesta altura particularmente difícil". "Umas e outras estão já habituadas a uma existência plena de adversidades em Portugal, mas cabe-nos a todos garantir que, ultrapassado este período, regressemos de boa saúde e mais ativas do que nunca", afirmam.

Os impulsionadores da campanha afirmam que este é "um pequeno gesto de resistência", ao qual pensam juntar outros nos próximos meses, e lançam um repto a outras editoras, para que "se juntem com ações semelhantes".

No início deste mês, mais de meia centena de livrarias independentes de todo o país uniram-se para criar uma rede de cooperação com o objetivo de conjugar esforços para enfrentar a crise no setor, agravada agora pelas condições criadas pela covid-19.

Denominada RELI - Rede de Livrarias Independentes, esta associação livre de apoio mútuo foi lançada, juntamente com o respetivo 'site', com o objetivo de "coordenar esforços para enfrentar a crise no mercado livreiro, que vem comprometendo, já há vários anos, a existência de pequenas livrarias em todo o país", segundo os livreiros. Além disso, também enviaram uma carta aberta aos órgãos de soberania, com um conjunto de propostas para os ajudar a sobreviver à crise, que passam por medidas de apoio à tesouraria e rendas. Antes disso, já as editoras tinham anunciado que suspendiam a produção de novidades e que se viravam para as vendas 'online', em alguns casos praticando descontos, para conseguirem sobreviver, face à crise no setor, que esvaziou e fechou as livrarias.

Este cenário passa-se um pouco por toda a Europa e na terça-feira, antecedendo a reunião de ministros da Cultura da União Europeia -- que decorreu na quarta-feira --, a federação europeia de editores escreveu uma carta a alertar para a "gravosa situação" do setor livreiro e a solicitar apoio financeiro para aliviar os efeitos da crise.

Desta reunião não saíram medidas específicas para o mercado livreiro, mas sim a ideia de que alguns programas financeiros europeus para enfrentar a crise causada pela covid-19 - como a iniciativa de investimento, orçada em 37 mil milhões de euros, e o instrumento de mitigação de desemprego, no valor de 100 mil milhões de euros - vão poder ser utilizados no setor cultural e criativo. Dirigido ao meio literário, foram anunciados incentivos à tradução de livros, no âmbito do programa Europa Criativa.

Fonte de Letras

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) tem dado conta dos dados relativos ao comportamento do mercado livreiro no mês de março e revelou que na primeira semana em que se iniciaram as medidas de isolamento, a venda de livros teve uma quebra de 65,8% e que, especificamente, as livrarias tiveram uma redução de 73% na venda dos livros.

A semana seguinte, a primeira depois de declarado o Estado de Emergência, trouxe um cenário ainda mais grave, com a APEL a anunciar uma "queda a pique do mercado", de menos 83% de vendas de livros, e a avisar que vários trabalhadores estão já em situação de 'lay-off'.

Até ao momento, o Ministério da Cultura ainda não anunciou medidas específicas para este setor.

LUSA