Cultura

Vocalista dos AC/DC publica livro de memórias

Jason Reed

"The Lives of Brian" sai em outubro.

O vocalista dos AC/DC, Brian Johnson, vai publicar um livro de memórias, intitulado "The Lives of Brian" ("As Vidas de Brian", em tradução livre), com edição prevista para 26 de outubro, anunciou esta terça-feira o próprio no Twitter.

"Tive algumas noites longas e algumas noites ótimas, dias maus e dias muitos bons. Passei de menino de coro a cantor de rock'n'roll, e agora escrevi um raio de um livro sobre isso...", lê-se numa publicação partilhada na segunda-feira na conta oficial de Brian Johnson no Twitter.

A acompanhar aquelas palavras, o vocalista dos AC/DC, banda australiana fundada em 1973 pelos irmãos Angus e Malcolm Young, partilhou um vídeo de promoção do livro, com imagens de concertos e fora dos palcos, onde surgem palavras e expressões como "lenda do rock", "artista" e "amante de adrenalina".

O livro de memórias de Brian Johnson, editado pela Penguin a nível internacional, chega meses depois da edição do primeiro trabalho de inéditos dos AC/DC nos últimos seis anos, "PWR UP", em novembro de 2020.

"The Lives of Brian", já disponível em pré-venda em alguns 'sites', é o segundo livro de Brian Johnson, de 73 anos.

Em 2011, o músico editou o livro de memórias "Rockers and Rollers: A Full-Throttle Memoir", no qual escreveu acerca da sua paixão por carros e desportos motorizados.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros