Cultura

Paul McCartney diz que foi John Lennon quem quis dissolver os The Beatles

Toby Melville

Os fãs da banda debatem desde sempre quem foi o responsável pela separação do grupo.

O músico Paul McCartney revisitou numa entrevista com a BBC Radio a separação dos Beatles, na qual contesta com veemência a sugestão de que foi o responsável pelo desaparecimento do grupo, responsabilizando John Lennon.

Em declarações num episódio do programa "This Cultural Life" da BBC Radio 4, programado para ser transmitido no próximo 23 de outubro, McCartney afirma que foi John Lennon quem quis dissolver os The Beatles.

"Eu não instiguei a divisão", afirma McCartney. "Quem o fez foi o nosso Johnny".

Os fãs da banda debatem desde sempre quem foi o responsável pela separação do grupo, com muitos a culparem McCartney. Paul McCartney deixa agora claro que o desejo de Lennon de "cortar os laços" foi o principal motor da separação.

A confusão em torno da separação dos The Beatles foi estimulada pela circunstância de o empresário do grupo ter pedido aos membros da banda que se mantivessem calados até ele concluir uma série de acordos comerciais, revela McCartney.

A entrevista surge como uma pré-apresentação de documentário de seis horas produzido por Peter Jackson, em que é feita uma crónica dos últimos meses da banda.

"'Os Beatles': Get Back" deverá ser lançado em novembro pela Disney+ e irá revisitar a rutura da banda lendária. Os comentários de Paul McCartney foram divulgados pelo The Observer e reproduzidos pela agência Associated Press.

Quando questionado pelo entrevistador, John Wilson, sobre a decisão de acabar com a banda, McCartney constesta: "Pare aí mesmo. Eu não sou a pessoa que instigou a divisão. Oh não, não, não. Um dia, John entrou numa sala e disse: 'Vou deixar os The Beatles'. Isso é que é instigar a divisão, ou não?"

Paul McCartney manifesta ainda tristeza pela separação da banda, considerando que o grupo ainda estava a fazer "coisas muito boas".

"Esta era a minha banda, este era o meu trabalho, esta era a minha vida". Eu queria que continuasse", afirma McCartney.

Veja também: