Cultura

Johnny Depp vence julgamento contra Amber Heard

Johnny Depp vence julgamento contra Amber Heard

O júri declarou Amber Heard culpada de difamação e de ter atuado com “malícia”.

Após seis semanas de testemunhos em tribunal, e que foram acompanhados por milhares de pessoas em todo o mundo, o júri já tomou uma decisão no processo que o ator Johnny Depp interpôs contra a ex-mulher Amber Heard. O júri decidiu que a atriz é culpada de difamar o ex-marido, incluindo as acusações de ter atuado com “malícia” e de proferir falsos testemunhos propositadamente. Depp não esteve presente da audiência, tendo assistido por videoconferência do Reino Unido.

Heard terá de pagar uma compensação de 15 milhões de dólares (10 milhões em compensações e cinco milhões por danos punitivos), um valor abaixo do que Depp pedia. O júri decidiu ainda que a atriz deverá receber uma compensação de dois milhões de dólares, mas não irá receber por danos punitivos.

A equipa legal de Johnny Depp festejou a vitória. À saída, agradeceram ao júri por ter apoiado a verdade e afirmam que “é altura de virar a página e seguir em frente”. Os advogados não responderam a quaisquer perguntas dos jornalistas.

Declaração de Johnny Depp:

“Há seis anos, minha vida, a vida dos meus filhos, a vida das pessoas mais próximas a mim, e também a vida das pessoas que por muitos e muitos anos me apoiaram e acreditaram em mim foram mudadas para sempre.

Tudo num piscar de olhos.

Alegações falsas, muito sérias e criminais foram feitas a mim através da media, o que desencadeou uma enxurrada interminável de conteúdo odioso, embora nenhuma acusação tenha sido feita contra mim. Já tinha viajado ao redor do mundo duas vezes em um nanossegundo e teve um impacto sísmico na minha vida e na minha carreira.

E seis anos depois, o júri deu-me a minha vida de volta. Estou verdadeiramente feliz.

Minha decisão de prosseguir com este caso, sabendo muito bem a dificuldade dos obstáculos legais que enfrentaria e o inevitável espetáculo mundial para a minha vida, só foi tomada após considerável reflexão.

Desde o início, o objetivo de trazer este caso era revelar a verdade, independentemente do resultado. Dizer a verdade era algo que eu devia aos meus filhos e a todos aqueles que permaneceram firmes no apoio à minha pessoa. Sinto-me em paz sabendo que finalmente consegui isso.

Estou, e tenho sido, oprimido pelo amor, colossal apoio e bondade de todo o mundo. Espero que minha busca pela verdade tenha ajudado outros, homens ou mulheres, que se encontraram na minha situação, e que aqueles que os apoiam nunca desistam. Também espero que a posição agora volte a ser inocente até prova de culpa, tanto nos tribunais quanto na media.

Desejo reconhecer o nobre trabalho do Juiz, dos jurados, da equipa do tribunal e dos xerifes que sacrificaram seu próprio tempo para chegar a este ponto, e à minha equipa jurídica diligente e inabalável que fez um trabalho extraordinário ao me ajudar a compartilhar a verdade.

O melhor ainda está por vir e um novo capítulo finalmente começou.

Veritas numquam perit.

A verdade nunca perece.”

Declaração de Amber Heard:

“A deceção que sinto hoje [quarta-feira] vai além das palavras. Parte-me o coração que a montanha de provas ainda não tenha sido suficiente para enfrentar o poder e a influência desproporcionais de meu ex-marido.

Estou ainda mais desapontada com o que esse veredicto significa para outras mulheres. É um retrocesso. Atrasa o relógio para uma época em que uma mulher que se levantou e denunciou poderia ser envergonhada e humilhada publicamente. Afasta a ideia de que a violência contra as mulheres deve ser levada a sério.

Acredito que os advogados de Johnny [Depp] conseguiram fazer com que o júri ignorasse a questão-chave da liberdade de expressão e ignorasse evidências que foram tão conclusivas que vencemos no Reino Unido.

Estou triste por ter perdido este caso. Mas estou ainda mais triste porque pareço ter perdido um direito que pensava ter como americana – de falar livre e abertamente”.

Veredicto foi conhecido ao fim de seis semanas de julgamento

O veredicto ia ser divulgado às 20:00 (horas de Lisboa), mas problemas com os formulários atrasaram a leitura pela juíza Penney Azcarate.

O tribunal de Fairfax, no estado norte-americano da Virgínia, foi durante seis semanas palco do julgamento de difamação que Johnny Depp interpôs contra Amber Heard, e que extravasou a sala de audiências.

E, esta quarta-feira, o veredicto do júri – composto por sete jurados – foi transmitido pela juíza Penney Azcarate. Uma decisão unânime tomada cinco dias após as alegações finais.

De referir que o ator não está presente fisicamente. Johnny Depp vai assistir à leitura do veredicto a partir do Reino Unido, onde atuou ontem ao lado de Jeff Beck no Royal Albert Hall, em Londres. Um facto já comentado pela defesa de Amber Heard.

“A presença [física] mostra quais são as prioridades. O Johnny está a tocar no Reino Unido, enquanto a Amber aguarda o veredicto em Virgínia”, afirmou o porta-voz da atriz.

O que levou (outra vez) o ex-casal a tribunal

Em causa, desta vez, está o processo de difamação que Johnny Depp apresentou contra a ex-mulher, Amber Heard, na sequência de um artigo em que a atriz dizia ter sido vítima de violência doméstica. Este julgamento é o capítulo mais recente da conturbada história do ex-casal.

Johnny Depp, de 58 anos, avançou para tribunal acusando a ex-mulher de o ter difamado num artigo de opinião que escreveu, e publicou, em 2018 no jornal Washington Post, no qual dizia ser uma sobrevivente de violência doméstica. A defesa do ator exige 50 milhões de dólares à atriz.

No artigo, Amber não referia o nome do ator, mas os advogados de Depp consideram que ficou claro que se referia a ele, prejudicando a reputação e carreira do ator.

Recorde-se que Depp e Heard conheceram-se em 2011 durante as gravações de “The Rum Diary”. Casaram quatro anos depois, mas o matrimónio só durou 15 meses. O divórcio avançou, em praça pública, com Heard a acusar Depp de violência doméstica.

Saiba mais