Desporto

Jogadores do Huesca e Valladolid ouvidos pela polícia espanhola

Albert Gea

Em causa está o processo de manipulação de resultados para obtenção de benefícios em apostas.

Vários jogadores e adminstradores do Huesca e alguns jogadores do Valladolid foram esta quarta-feira prestar declarações à polícia espanhola no âmbito da operação Oikos.

Em causa está o processo de viciação de resultados para a obtenção de benefícios em apostas desportivas que decorre em Espanha.

Recorde-se que entre os detidos ontem estava Raúl Bravo, ex-jogador do Real Madrid, que foi apontado como o chefe da organização, Borja Fernández, do Valladolid, Samuel Saiz, do Getafe, Ínigo López do Deportivo e Carlos Aranda, ex-jogador de várias equipas da primeira divisão espanhola.

Além desses jogadores, Agustín Lasaosa, presidente do Huesca, e Juan Carlos Galindo Lanzuna, chefe dos serviços médicos do clube de Navarra, também foram presos.

A investigação continua em aberto e todos os detidos devem aguardar pelas próximas 72 horas para serem presentes a um juiz.

  • Mourinho procura clube e rejeita, para já, treinar seleções
    7:14
  • Como não gastar dinheiro com os números começados por 707
    6:46