Desporto

Rui Patrício iguala 80 jogos de Baía e deixa para trás Ricardo

© Michael Dalder / Reuters

Em 79 jogos já disputados ao serviço da principal seleção lusa, o guarda-redes português sofreu 67 golos, à média de menos de um por jogo.

Rui Patrício iguala esta quarta-feira Vítor Baía e deixa para trás Ricardo, ao somar a 80.ª internacionalização AA pela seleção portuguesa de futebol, que defronta a Suíça nas meias-finais da Liga das Nações, no Dragão.

No final de uma primeira época muito positiva ao serviço dos ingleses do Wolverhampton, que ajudou a atingir o sétimo lugar da 'Premier League', Patrício, de 31 anos, junta-se, assim, a Baía no 'trono' dos guarda-redes lusos.

Em 79 jogos já disputados ao serviço da principal seleção lusa, pela qual se estreou em 17 de novembro de 2010, com uma goleada por 4-0 à Espanha, num particular, o guarda-redes português sofreu 67 golos, à média de menos de um por jogo.

Os números de Patrício incluem 46 vitórias, 19 empates e 14 derrotas, sendo que foi titular em 77 jogos e apresenta uma média de mais de 90 minutos por encontro, face aos seis prolongamentos que disputou.

Dos 79 encontros disputados, o ex-guarda-redes do Sporting conseguiu manter a baliza inviolável em 37 ocasiões, somando ainda 24 com um tento sofrido, 12 com dois, cinco com três e apenas um com quatro, o 0-4 com a Alemanha a abrir o Mundial 2014.

Rui Patrício soma quatro presenças em fases finais, entre europeus e mundiais, sendo que também esteve na Taça das Confederações e vai agora a disputar a Liga das Nações.

Em relação à comparação com Vítor Baía e Ricardo, que têm, praticamente, os memos jogos, Rui Patrício triunfa no dado estatístico mais importante, o dos títulos, face ao seu triunfo no Europeu de 2016.

Por seu lado, Ricardo foi finalista do Europeu de 2004, que Portugal perdeu em casa perante a Grécia, enquanto Vítor Baía, 'ignorado' por Luiz Felipe Scolari, que assumiu a seleção em 2003, foi semifinalista do Europeu de 2000.

Dos três, o guarda-redes do Wolverhampton é também o que soma mais triunfos - 46, contra 44 de Baía e 43 de Ricardo -, sendo que, em matéria de golos sofridos, é o antigo dono da baliza de FC Porto e FC Barcelona que 'manda'.

Vítor Baía manteve a baliza a zero em 47 jogos - Rui Patrício só o conseguiu em 37 e Ricardo em 34 - e sofreu muito menos golos: apenas 48, contra 67 de Patrício e 58 de Ricardo.

Lusa