Desporto

DGS revê autorização para presença de público nos prémios de Formula 1 e MotoGP

(Arquivo)

Action Images

Graça Freitas advertiu que "a situação é preocupante", o que leva a autoridade de saúde a agir de forma "muito cautelosa".

A Direção-Geral da Saúde (DGS) está a rever a autorização para a presença de público em eventos desportivos, em especial nos grandes prémios de Portugal de Fórmula 1 e MotoGP, admitindo a sua redução, revelou esta sexta-feira Graça Freitas.

"A DGS está a rever a programação em termos de público nos eventos desportivos, em função da evolução da situação epidemiológica e da região do país [onde se vão realizar], que não é uniforme", disse a diretora-geral da Saúde, em conferência de imprensa destinada a fazer o balanço da pandemia de covid-19.

Graça Freitas advertiu que "a situação é preocupante", o que leva a autoridade de saúde a agir de forma "muito cautelosa", adiantando que a presença de espetadores em espetáculos desportivos "está a ser equacionada conforme a zona, com a redução que terá de existir".

A DGS já tinha dado parecer favorável -- sem estabelecer números - à presença de público no Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1, que se vai realizar entre 23 e 25 de outubro, no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, com capacidade para perto de 100.000 espetadores.

A prova de MotoGP, que, à semelhança da F1, foi incluída no calendário do Mundial de velocidade de motociclismo deste ano devido ao cancelamento de várias corridas, vai disputar-se em 22 de novembro, também no circuito algarvio, devendo contar com a participação do piloto português Miguel Oliveira.

"Sempre disse que todas as situações de público em eventos desportivos tinham a ver com tipo de evento e a situação epidemiológica. Neste momento, ambas as questões estão a ser equacionadas consoante região do país e incidência de casos nessa região", reforçou.

Portugal regista hoje 2.608 novos casos de infeção com o novo coronavirus, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia de covid-19 (o terceiro dia consecutivo acima de dois mil novos casos), e 21 mortos, segundo o boletim epidemiológico da DGS.

  • O cartão amarelo que não se percebe 

    Opinião

    Despir a camisola aquando da celebração de um golo é proibido pelas leis de jogo. Penso que toda a gente sabe disso. Aliás, basta apenas que um qualquer jogador cubra a cabeça usando essa peça de equipamento para ser sancionado.

    Duarte Gomes