Desporto

Carlos Queiroz despede-se com "gratidão" da seleção da Colômbia

Amanda Perobelli

O treinador português e a Federação Colombiana de Futebol chegaram a acordo para a rescisão do contrato, válido até 30 de junho de 2022.

O técnico português Carlos Queiroz, que deixou esta quarta-feira o cargo de selecionador da Colômbia, despediu-se de forma emotiva dos jogadores e dirigentes que orientava através de uma mensagem na rede social Instagram.

"Quando dizer adeus não é fácil, significa que só temos motivos para expressar com orgulho a nossa enorme gratidão", escreveu Queiroz, agradecendo a "oportunidade e honra" que lhe foram dadas pela Federação Colombiana de Futebol e pelo seu presidente.

O treinador luso, de 67 anos, elogiou o grupo de trabalho "cheio de talento" que encontrou na Colômbia, louvando "todos os esforços e sacrifícios" dos jogadores e equipa técnica dos 'cafeteros' em prol da seleção que liderava.

Instagram

"Vou-me embora com humildade, com a certeza que todo o trabalho e o legado técnico positivo desenvolvido por todos na equipa vai traduzir-se no êxito que todos os adeptos do futebol colombiano sonham e merecem", rematou.

Queiroz deixa os 'cafeteros', que comandava desde fevereiro de 2019, após 18 jogos, nove vitórias, cinco empates e quatro derrotas, sendo as mais recentes, em novembro, as que mais contribuíram para este desfecho, frente ao Uruguai (3-0) e Equador (6-1), esta última a mais pesada da seleção colombiana desde 06 de março de 1977, quando foram goleados pelo Brasil por 6-0, no Maracanã.

Após quatro das 18 jornadas, a Colômbia está fora dos lugares de apuramento para o Mundial2022, ao ocupar o sétimo lugar da qualificação sul-americana, com os mesmos quatro pontos do Chile, sexto. O Brasil lidera com 12 pontos, mais dois do que a Argentina.

O treinador português e a Federação Colombiana de Futebol (FCF) chegaram a acordo para a rescisão do contrato, válido até 30 de junho de 2022, de acordo com a entidade que rege o futebol no país sul-americano.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão