Economia

Lucro da Ryanair sobe 55% para 397 M€ entre abril e junho

(Arquivo)

© Agencja Gazeta / Reuters

A Ryanair obteve lucros de 397 milhões de euros, entre abril e junho deste ano, mais 55% do que no mesmo período do ano passado, devido sobretudo a "uma Páscoa forte", anunciou a companhia aérea em comunicado.

"Estamos contentes por anunciar este acréscimo de 55% dos lucros para 397 milhões de euros, mas atenção que o resultado está distorcido pela ausência da Páscoa no mesmo período de 2016", afirmou o presidente executivo da Ryanair, Michael O'Leary.

Neste primeiro trimestre fiscal, o preço médio subiu cerca de 1% para 40,3 euros, devido a um abril "forte (sustentado pela Páscoa) que compensou a depreciação da libra esterlina e a diminuição das receitas de bagagens (porque mais clientes optaram pelas duas bagagens gratuitas)", adiantou a companhia aérea de baixo custo irlandesa.

As receitas da Ryanair subiram 13% para 1.687 milhões de euros no mesmo período.

O tráfego de passageiros da companhia aérea atingiu 35 milhões de pessoas, mais 12% do que no período homólogo de 2016 e registou uma taxa de ocupação de 96%, adianta a transportadora.

Em relação ao resto do exercício fiscal, a Ryanair estimou, hoje, que o resultado líquido pode ficar entre 1.400 e 1.450 milhões de euros, no final do ano, mas sublinhou que depende em grande medida da manutenção das reservas e do preço dos bilhetes no verão.

A empresa também parte do princípio que não haja "alertas de segurança", como os atentados terroristas cometidos em Manchester e Londres, que os sindicatos dos controladores aéreos não convoquem novas greves e que o processo de saída do Reino Unido da União Europeia (brexit) não tenha "efeitos negativos" sobre o setor.

Lusa

  • 100 mortes e 5.170 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O número de óbitos subiu de 76 para 100 em relação ao último balanço da DGS, enquanto o número de infetados aumentou de 4.268 para 5.170, mais 902 em relação a ontem. A região Norte continua a ser a mais afetada. A ministra da Saúde diz que a incidência máxima da doença deve acontecer no final de maio. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia de Covid-19.

    Direto

    SIC Notícias