Economia

EUA impõem taxas alfandegárias a mais importações chinesas

Daniel Acker

Os EUA vão impor tarifas alfandegárias a mais importações de bens provenientes da China, avaliadas em 200 mil milhões de dólares (171 mil milhões de euros) a partir da próxima semana, anunciou a Casa Branca na segunda-feira.

As tarifas vão começar em 10% e subir para 25%, a partir de 1 de janeiro.

Esta decisão significa uma escalada na guerra comercial entre os Estados Unidos da América e a China e um aumento de preços nos preços de consumo nos EUA, que vão desde as malas de mão aos pneus de bicicleta.

A China já se declarou pronta para retaliar e o Presidente note-americano, Donald Trump, já declarou que se isto acontecer vai taxar mais importações equivalentes a 267 mil milhões de dólares.

Os EUA decidiram avançar com estas novas tarifas, incidentes sobre cerca de 40% das importações chinesas, depois de um período de apreciação pública.

O anúncio aconteceu depois de os EUA já estarem a taxar importações chinesas no valor de 50 mil milhões de dólares.

Através de uma declaração escrita, distribuída pela Casa Branca, Trump afirmou: "As tarifas alfandegárias começam a vigorar em 24 de setembro e serão de 10% até ao final do ano. Em 01 de janeiro, as taxas serão elevadas para 25%".

No mesmo comunicado, Trump adiantou: "Se a China tomar medidas de represália contra os nossos agricultores ou outas indústrias, vamos aplicar imediatamente a Fase 3, isto é, tarifas aduaneiras sobre cerca 267 mil milhões de dólares de importações suplementares".

Lusa

  • As imagens do mau tempo no Porto
    1:24
  • As imagens das inundações em Braga
    1:05