Economia

Constâncio diz que "é falso" que tenha mentido à Assembleia da República

Kai Pfaffenbach

Vítor Constâncio nega ter omitido informações na Assembleia da República, na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. O antigo governador do Banco de Portugal rejeita ainda que tenha autorizado o crédito concedido pela Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo.

Numa nota enviada esta sexta-feira à SIC, diz que apenas deu luz verde ao aumento da participação do empresário português no BCP. Constâncio acrescenta que esse aval foi dado já depois de saber que a CGD tinha aprovado o empréstimo de 350 milhões de euros.

Reitera que o Banco de Portugal não tem conhecimento das operações de crédito antes delas serem aprovadas pelas instituições e muito menos para as mandar anular.

“O Banco de Portugal apenas teve de não objetar a que o referido Grupo ultrapassasse a percentagem de 5% que o caracterizaria como acionista qualificado do BCP. Quando essa decisão foi tomada já estava assinada a operação de crédito pela CGD e, como expliquei corretamente na Assembleia da República, o Banco de Portugal não tem competência para ter conhecimento de operações de crédito antes de serem decididas pelos Bancos nem muito menos competência para as mandar anular.”

O ex-governador garante que não foram abordadas questões sobre a autorização de participações qualificadas e que, por isso, "nada foi omitido".

Em causa está um empréstimo de 350 milhões de euros, atribuídos em 2017 a Joe Berardo, para comprar ações do BCP. Uma investigação do Público, confirmada pelos documentos a que a SIC teve acesso, provam que o Banco de Portugal sabia desta operação.

Esta sexta-feira, o antigo governador já tinha recorrido ao Twitter para esclarecer que nunca foi questionado pelos deputados sobre a concessão de crédito.

Twitter

"Quase todas as contas que andamos a pagar têm raiz em Vítor Constâncio"

Constâncio deixou passar "dos maiores problemas da banca que nós estamos a pagar"

Vítor Constâncio não é apenas ex-governador do Banco de Portugal mas também vice-governador do BCE, salienta José Gomes Ferreira.

  • Há quem espere mais de um ano para conseguir vaga no SEF
    5:06
  • “Este despacho não é sobre casas de banho, é sobre pessoas”
    13:47