Economia

Restauração com quebras de 40% na faturação em agosto

Gregory Bull

Resultados do inquérito mensal da AHRESP concluem que o verão não está a ser suficiente para as empresas de restauração e bebidas recuperarem.

Quebras homólogas de faturação de 40% em agosto foram reportadas por 70% das empresas inquiridas pela Associação da hotelaria, restauração e similares de Portugal (AHRESP), num inquérito onde 9% das empresas admite mesmo não conseguir pagar salários.

Os resultados do inquérito mensal da associação, realizado entre 31 de agosto e 3 de setembro, no continente e regiões, concluem que o verão não está a ser suficiente para as empresas de restauração e bebidas recuperarem dos prejuízos do confinamento gerado pela pandemia da covid-19.

"Na restauração e bebidas, mais de 38% das empresas ponderam avançar para insolvência, dado que as receitas realizadas e previstas não permitirão suportar os encargos habituais para o normal funcionamento da sua atividade", diz a associação.

Segundo o inquérito, mais de 9% das empresas não conseguiram efetuar o pagamento dos salários em agosto e 10% só o fez parcialmente.

A AHRESP diz que, com esta realidade, 14% das empresas já efetuaram despedimentos desde o início do estado de emergência, e mais de 24% das empresas assumem que não vão conseguir manter todos os postos de trabalho até ao final do ano.

Para as empresas do alojamento turístico o cenário também é alarmante, e em agosto 12% não registaram qualquer ocupação e mais de 16% indicou uma ocupação máxima de 10%.

Vinte e dois por cento das empresas inquiridas revelaram uma quebra homóloga superior a 90% na taxa de ocupação, precisa a associação, acrescentando que em setembro os resultados não são menos preocupantes, com 24% das empresas a esperar menos de 10% de taxa de ocupação e mais de 17% das empresas a perspetivar uma ocupação zero.

"Perante este cenário, 16% das empresas ponderam avançar para insolvência por não conseguirem suportar todos os normais encargos da sua atividade", alerta a AHRESP, adiantado que mais de 19% das empresas não conseguiram efetuar o pagamento dos salários em agosto e só 8% o fez parcialmente. "Com esta realidade, cerca de 16% das empresas assumem que não vão conseguir manter todos os postos de trabalho até ao final do ano", conclui a associação.

As medidas para combater a pandemia da doença covid-19 paralisaram setores inteiros da economia e levaram a Comissão Europeia a prever para Portugal um recuo da economia de 9,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, uma contração acima da anterior projeção de 6,8% e da de 6,9% estimada pelo Governo português.

O Governo prevê que a economia cresça 4,3% em 2021, enquanto Bruxelas antecipa um crescimento mais otimista, de 6%, acima do que previa na primavera (5,8%). A taxa de desemprego deverá subir para 9,6% este ano, e recuar para 8,7% em 2021.

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino