Economia

Nacionalização da Groundforce "é a última hipótese que o Governo quer"

Opinião

José Gomes Ferreira em análise no Primeiro Jornal da SIC.

O Executivo admite nacionalizar a Groundforce, perante a iminência de falência da empresa. No entanto José Gomes Ferreira explica que essa "é a última hipótese que o Governo quer".

"Há um problema. É que o Governo já tem uma TAP em reestruturação. E nacionalizar a Groundforce significaria ter outra empresa para a qual teria de apresentar um novo plano de reestruturação."

A SIC sabe que o empresário Alfredo Casimiro não pode dar as ações à TAP em troca de um financiamento de emergência porque as entregou de penhor a terceiros.

Alfredo Casimiro admitiu ao Ministério das Infraestruturas, na noite de sábado para domingo, que não tem as ações porque as deu de penhor de um outro empréstimo. O empresário terá mesmo dito que "não pode dar o que não tem".

A TAP, que já tinha adiantado faturação no valor de 13 milhões de euros à Groundforce, vai agora exigir ao empresário o contrato de penhor para saber quem é o beneficiário.

A falência da Groundforce pode agora estar iminente. No entanto, com o verão turístico a aproximar-se, a TAP precisa que a empresa continue a fornecer o serviço de Handling. Por isso, o Ministério das Infraestruturas admite a hipótese de nacionalização da empresa.

Antes disso terá ainda de ser encontrado o beneficiário do atual contrato de penhor das ações, para se perceber se ele pode vir a gerir a empresa ou se a Groundforce pode ser vendida.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia