Economia

Desemprego na OCDE cai para 6,7% em fevereiro

Lionel Cironneau/ AP

Dados revelam uma descida em relação ao mês anterior.

O desemprego no conjunto dos países da OCDE caiu para 6,7% em fevereiro, menos uma décima que em janeiro, mas manteve-se 1,4 pontos percentuais acima do nível anterior à crise da covid-19, foi hoje anunciado.

Na zona euro, o desemprego manteve-se estável em 8,3% em fevereiro, ainda um ponto acima do nível anterior ao surto do novo coronavírus em fevereiro de 2020, afirmou hoje num comunicado a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico).

As variações mais importantes em termos relativos entre os membros da moeda única foram registadas na Letónia, onde o desemprego subiu duas décimas e na Eslovénia, onde caiu duas décimas.

Nos Estados Unidos, a taxa de desemprego caiu uma décima de ponto para 6,2%, enquanto no Canadá a redução foi de 1,2 pontos para 8,2%.

A OCDE sublinhou que dados mais recentes indicam que o declínio do desemprego nestes dois países continuou em março, com uma queda de duas décimas nos Estados Unidos e sete décimas no Canadá.

A organização também observou uma queda significativa do desemprego em fevereiro na Austrália, designadamente de meio ponto para 5,8%.

Contudo, o desemprego aumentou cinco décimas em Israel para 5,1% e permaneceu estável no Japão (2,9%) e no México (4,5%).

Na área da OCDE como um todo, o desemprego entre os jovens entre os 15 e 24 anos caiu três décimas, para 13,7%.

A organização disse que as estatísticas não têm em conta todos os desempregados, uma vez que a pandemia exclui algumas pessoas sem trabalho por não estarem em condições de procurar emprego.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão