Economia

Desemprego na OCDE cai para 6,7% em fevereiro

Lionel Cironneau/ AP

Dados revelam uma descida em relação ao mês anterior.

O desemprego no conjunto dos países da OCDE caiu para 6,7% em fevereiro, menos uma décima que em janeiro, mas manteve-se 1,4 pontos percentuais acima do nível anterior à crise da covid-19, foi hoje anunciado.

Na zona euro, o desemprego manteve-se estável em 8,3% em fevereiro, ainda um ponto acima do nível anterior ao surto do novo coronavírus em fevereiro de 2020, afirmou hoje num comunicado a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico).

As variações mais importantes em termos relativos entre os membros da moeda única foram registadas na Letónia, onde o desemprego subiu duas décimas e na Eslovénia, onde caiu duas décimas.

Nos Estados Unidos, a taxa de desemprego caiu uma décima de ponto para 6,2%, enquanto no Canadá a redução foi de 1,2 pontos para 8,2%.

A OCDE sublinhou que dados mais recentes indicam que o declínio do desemprego nestes dois países continuou em março, com uma queda de duas décimas nos Estados Unidos e sete décimas no Canadá.

A organização também observou uma queda significativa do desemprego em fevereiro na Austrália, designadamente de meio ponto para 5,8%.

Contudo, o desemprego aumentou cinco décimas em Israel para 5,1% e permaneceu estável no Japão (2,9%) e no México (4,5%).

Na área da OCDE como um todo, o desemprego entre os jovens entre os 15 e 24 anos caiu três décimas, para 13,7%.

A organização disse que as estatísticas não têm em conta todos os desempregados, uma vez que a pandemia exclui algumas pessoas sem trabalho por não estarem em condições de procurar emprego.