Economia

Trabalhadores da Groundforce dizem que atingiram o limite e convocaram várias greves a nível nacional

De 16 a 18 de julho a greve vai ser total.

Os protestos começaram em fevereiro, com a falta de pagamento de salários. Quatro meses depois, os trabalhadors dizem ter chegado ao limite das negociações e convocaram greves nos aeroportos nacionais.

A 12 de julho estão agendadas duas paralisações parciais por tempo indeterminado, uma às horas extraordinárias e feriados e outra à primeira e última hora de cada turno de trabalho. De 16 a 18 de julho a greve vai ser total.

Em suspenso continuam os subsídios de férias, feriados de abril, horas extra, anuidades, evolução na carreira profissional e o pagamento do prémio de distribuição de lucros relativo a 2019. A acrescentar está o pagamento dos meses de maio e junho a conta gotas.

A TAP requereu, 10 de maio, a insolvência da Groundforce junto do Tribunal do Comércio de Lisboa. Mas a empresa de handling exerceu o direto de oposição e aguarda-se, nesta altura, a decisão judicial.