Economia

Dinheiro parado em contas à ordem atinge valor recorde

São quase 77 mil milhões de euros em contas à ordem.

Nunca como agora os portugueses tiveram tanto dinheiro parado em contas à ordem. Já os depósitos a prazo e outros produtos de poupança estão em queda, por causa da descida das taxas de juro.

São 76,8 mil milhões de euros em poupanças guardados em contas à ordem. Até maio eram já mais 3,8 mil milhões de euros do que no ano passado.

Os depósitos a prazo estão a evoluir em sentido contrário e cresceram apenas 600 milhões de euros nos primeiros cinco meses do ano. Os últimos dados do Banco de Portugal mostram que atingiram os 89 mil milhões de euros.

Desde 2016 que o valor do dinheiro guardado em depósitos a prazo tem vindo a cair, à medida que caem também as taxas de juro.

O mesmo acontece com outros instrumentos financeiros como PPR, certificados de aforro ou do tesouro e títulos de dívida pública.

Nos primeiros três meses de 2021, a poupança das famílias portuguesas atingiu um máximo histórico. Nessa altura, com o país em confinamento, a taxa de poupança fixou-se nos 14,2% e o consumo privado caiu 1,7%.