Economia

Jogos online são "ópio espiritual"? Tencent reage a críticas na China e limita acesso das crianças

Ações da gigante tecnológica estavam a cair 6,11% na Bolsa de Valores de Hong Kong. Empresa vai limitar horas diárias de jogo das crianças e compras por menores de 12 anos.

A empresa de jogos chinesa Tencent Holdings disse esta terça-feira que vai limitar o tempo que os menores podem passar a jogar online e proibir crianças com idades abaixo dos 12 anos de fazer compras nos jogos.

A decisão surgiu depois de um artigo difundido pela imprensa estatal ter chamado "ópio espiritual" aos jogos virtuais, o que resultou numa queda de 6,11% nas ações da empresa na Bolsa de Valores de Hong Kong. A crítica foi publicada pelo Economic Information Daily, um jornal afiliado à agência noticiosa oficial Xinhua.

O artigo destacou o popular jogo Honor of Kings, da Tencent, como aquele em que os menores são mais viciados, e citou um estudante que afirmou que alguns jovens jogam até oito horas por dia. O artigo, difundido na versão online do jornal, foi removido horas depois.

"O 'ópio espiritual' cresceu e tornou-se uma indústria que vale centenas de milhares de milhões", disse o jornal, acrescentando que nenhuma indústria deveria desenvolver-se até ao ponto de "destruir uma geração".

A Tencent reagiu em comunicado, garantindo que limitaria ainda mais o tempo de jogo para menores, reduzindo de uma hora e meia para uma hora por dia, e de duas horas para três horas por dia durante os feriados. Crianças com menos de 12 anos também estão proibidas de fazer compras no jogo, disse a empresa.

Não ficou claro se a Tencent emitiu as restrições à luz do artigo.

Nos últimos meses, Pequim instaurou processos contra diversas empresas do setor da internet, solicitadas a "retificar" práticas até então toleradas, e que abrangem questões como a segurança dos dados, comportamento monopolista e estabilidade financeira.

Novas diretrizes que visam limitar o lucrativo setor do ensino de preparação também enervaram os investidores.