Economia

Banco de Portugal mantém projeção de crescimento da economia nos 4,8%

A economia portuguesa vai crescer 4,8% em 2021, aproximando-se do nivel pré-pandemia no final do ano, antecipa o Banco de Portugal. A projeção divulgada está quarta-feira mantém-se inalterada face a junho.

O Banco de Portugal (BdP) manteve inalterada a sua projeção de crescimento para a economia portuguesa em 2021, apontando para uma expansão de 4,8%, "aproximando-se do nivel pré-pandemia no final do ano", indica o Boletim Económico de outubro, divulgado está quarta-feira.

A projeção do BdP permanece assim acima da estimativa do Governo. A 17 de setembro o ministro das Finanças, João Leão, avançava à Lusa uma estimativa de crescimento de 4,5% para este ano.

"A recuperação da atividade reflete o controlo da pandemia, através do processo de vacinação - com efeitos positivos na confiança dos agentes económicos - e a manutenção de políticas económicas expansionistas", escreve o BdP.

O banco central nota que a "despesa em serviços permanece abaixo do período pré-pandemia, dada a persistência de comportamentos de precaução, a recuperação lenta do turismo e um maior recurso ao teletrabalho". Em contraste, "a despesa em bens está já acima, embora condicionada pelas perturbações na oferta".

Tudo somado, aponta para um crescimento do consumo privado de 4,3%, "sustentado pelo crescimento do rendimento disponível e pela gradual redução da taxa de poupança".

Quanto ao consumo público, o BdP espera um crescimento de 5,2%.

Quanto ao investimento, deve crescer 5,6%, "suportado pelas perspectivas de recuperação, pelos fundos europeus e pelo crédito a taxas de juro baixas e com garantia do Estado".

Na frente externa, as exportações de bens devem crescer 10,7%, "acompanhando o dinamismo da procura externa dirigida à economia portuguesa". Mas as exportações de serviços "continuam condicionadas pelo impacto da pandemia", nota o BdP.

E, como resultado, no final deste ano as exportações de serviços "situam-se cerca de 20% abaixo dos valores pré-pandemia", antecipa o banco central.

O BdP aponta ainda um crescimento do emprego de 2,6%, levando a taxa de desemprego a diminuir para 6,8% (7% em 2020).

Em suma, o BdP considera que "o choque pandemico revelou-se temporário, não obstante o impacto mais prolongado em alguns sectores e empresas".

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros