Economia

Setembro registou novo recorde de venda de carros elétricos em Portugal

Bryan Mitchell

Se aos elétricos puros somarmos os híbridos, setembro foi o segundo melhor mês do ano com 2.748 veículos elétricos vendidos. A autonomia média dos elétricos puros à venda em Portugal já atinge os 400 quilómetros.

Em setembro registou-se um novo máximo mensal nas vendas de veículos 100% elétricos em Portugal. Dados revelados esta quarta-feira pela Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos (UVE) concluem que foram comercializados 1.551 veículos elétricos, no que os responsáveis daquela organização consideram “uma clara resposta da procura à oferta cada vez maior de novos modelos elétricos em comercialização no país”.

Os mesmos responsáveis indicam que em setembro os veículos elétricos atingiram uma quota de mercado de 25%, “número impensável há poucos anos”.

Se aos elétricos puros somarmos os híbridos, setembro foi o segundo melhor mês do ano com 2.748 veículos elétricos vendidos em Portugal – e ainda o terceiro melhor mês de sempre nas vendas de veículos elétricos em Portugal, contabilizando as duas categorias: os 100% elétricos e os híbridos plug-in.

No conjunto dos primeiros nove meses de 2021 já se venderam 19.673 veículos elétricos em Portugal, o que, segundo a UVE, pode antever um novo recorde anual de vendas.

Já os carros híbridos plug-in (com ligação à tomada para carregamento das baterias) registaram um crescimento moderado de apenas 1,8%, “refletindo o interesse cada vez maior nos 100% elétricos, que já apresentam autonomias muito significativas, podendo os futuros compradores prescindir de um motor de combustão e de qualquer tipo de combustível fóssil”, sublinham os responsáveis da UVE.

Quanto aos veículos com motores de combustão interna (a gasóleo e a gasolina) o “descalabro, previsível, continua”, segundo aquela associação, tendo registado o quinto mês de quedas mensais nas vendas e o terceiro mês consecutivo, acumulando uma queda de 0,4% nos primeiros nove meses do ano em curso. De registar que é uma queda em relação ao período homólogo, grande parte dele já com grandes perdas devido à pandemia da Covid-19.

Em completa ascensão estão as vendas dos veículos elétricos. Segundo a UVE, se contabilizarmos as duas tipologias (elétricos e híbridos), os ligeiros de passageiros cresceram 40%, naquele que é o sétimo mês consecutivo de ganhos, registando um crescimento anual de 59,8%.

MATTHIAS RIETSCHEL

Os analistas daquela associação de utilizadores de carros elétricos garantem que “estamos a assistir ao princípio do fim do motor de combustão interna, por várias razões: muito menos eficiente, mais dispendioso na sua utilização e manutenção, e muito especialmente por serem muito poluidores e assim contribuírem para o agravamento das alterações climáticas”.

E concluem ainda que, se analisarmos apenas os veículos 100% elétricos, constata-se que o crescimento das vendas tem vindo a aumentar de uma forma “muito consistente”, respondendo a uma cada vez maior e mais diversificada oferta, incluindo praticamente todas as gamas e versões e com um aumento das autonomias reais muito significativo.

A autonomia média dos elétricos puros à venda em Portugal atinge neste momento os 400 quilómetros.

Miles Willis

No que respeita aos veículos 100% elétricos, a Tesla ocupa o primeiro lugar destacado com 321 viaturas entregues em setembro, ocupando o segundo lugar a Peugeot, com 198 veículos vendidos e o terceiro e último lugar do pódio, a Hyundai, com 144 unidades entregues.

No acumulado do ano, a Tesla reforça a primeira posição, com 1.031 viaturas vendidas, estando no segundo lugar a Peugeot (873), e no terceiro a Nissan (815).

Em relação aos híbridos plug-in mantêm-se as três marcas com uma nuance, a BMW (330) obtém a primeira posição no mês, a Mercedes-Benz (199) a segunda, e a Volvo (134) a terceira, sendo que no acumulado do ano é a Mercedes-Benz (2.996) a ocupar a primeira posição, a BMW (2.504) a terminar em segundo lugar, e a Volvo (1.591) a manter a terceira posição.

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros