Economia

Dívida das famílias, empresas e Estado recua 5.000 milhões de euros em outubro

Dívida das famílias, empresas e Estado recua 5.000 milhões de euros em outubro
Canva

Endividamento do setor não financeiro recuou para 793.666,97 milhões de euros.

O endividamento do setor não financeiro (administrações públicas, empresas e particulares) recuou 5.000 milhões de euros em outubro, face a setembro, para 793.666,97 milhões de euros, divulgou esta quarta-feira o Banco de Portugal (BdP).

Deste total, 440.607,11 milhões de euros dizem respeito ao setor privado (empresas privadas e particulares) e 353.059,86 milhões de euros ao setor público (administrações públicas e empresas públicas).

Em setembro, o endividamento do setor não financeiro era de 798.668,44 milhões de euros.

De acordo com o BdP, o endividamento do setor público diminuiu 4.947,22 milhões de euros, "com destaque para a diminuição do endividamento junto do setor financeiro (4,1 mil milhões de euros) e do exterior (2,5 mil milhões de euros)". Já o endividamento do setor público perante as administrações públicas e os particulares subiu, respetivamente, "1,0 mil milhões de euros e 0,7 mil milhões de euros".

A dívida do setor público "reduziu-se 0,1 mil milhões de euros", sendo que "esta evolução resultou, principalmente, da diminuição do endividamento das empresas privadas, de 0,2 mil milhões de euros".

Segundo as estatísticas do endividamento do setor não financeiro atualizadas para outubro de 2022, "o endividamento das empresas privadas diminuiu perante o setor financeiro (1,3 mil milhões de euros), mas aumentou junto do exterior (1,1 mil milhões de euros). O endividamento dos particulares cresceu 0,1 mil milhões de euros, essencialmente junto do setor financeiro".

Em outubro, o endividamento das empresas privadas cresceu 2,8% comparativamente com outubro de 2021, o que correspondeu a uma desaceleração de 0,1 pontos percentuais em relação ao mês anterior, e o endividamento dos particulares subiu 3,6% homólogos, "valor inferior ao verificado em setembro (3,7%)".

Últimas Notícias