Afeganistão

Afeganistão. França promove iniciativa europeia "robusta e coordenada" para gerir refugiados

Daniel Cole

Emmanuel Macron apelou à "solidariedade, harmonização de critérios e estabelecimento de cooperação com os países recetores".

O presidente francês, Emmanuel Macron, defendeu esta segunda-feira uma iniciativa europeia "robusta e coordenada" para gerir fluxos migratórios resultantes da chegada ao poder dos talibãs no Afeganistão.

"Vamos conduzir, em conjunto com a Alemanha e outros países europeus, uma iniciativa para construir sem demora uma resposta robusta, coordenada e unida", face ao esperado afluxo de refugiados à União Europeia, revelou o chefe de Estado francês num discurso televisivo dedicado à situação vivida no Afeganistão.

Macron apelou à "solidariedade, harmonização de critérios e estabelecimento de cooperação com os países recetores".

O presidente francês assegurou ainda que o seu país pretende que o Afeganistão não volte a ser um santuário jihadista e que terá como objetivo "antes de tudo, continuar a lutar ativamente contra o terrorismo islâmico em todas as suas formas".

"Grupos terroristas estão presentes no Afeganistão e vão procurar tirar partido da destabilização", alertou, defendendo "uma resposta responsável, unida e uma ação política e diplomática".

O objetivo imediato é colocar em segurança os franceses e vários afegãos que trabalham com a França ou que defendem os direitos humanos, acrescentou.

"É nosso dever proteger aqueles que nos ajudam: intérpretes, motoristas, cozinheiros e muitos outros. Quase 800 pessoas já estão em solo francês. Várias dezenas de pessoas ainda estão lá. (...) Por estes permanecemos plenamente mobilizados", garantiu Macron.

Macron revelou que a França vai enviar dois aviões militares e forças especiais, que devem estar dentro de poucas horas em Cabul para evacuar todos os estrangeiros que queiram abandonar o país.

Em Cabul, para além dos seus diplomatas e funcionários da embaixada, a França está neste momento a proteger diversos delegados da União Europeia que ainda estão na capital, assim como funcionários de diversas nacionalidades de organizações não-governamentais.

O chefe de Estado francês falou sobre a presença militar da França durante 13 anos, entre 2001 e 2014, dizendo que as mortes de 90 soldados franceses "não foram em vão" e que "o único inimigo da França" no Mundo é o terrorismo.

A chegada dos talibãs a Cabul no domingo precipitou a saída do país do Presidente afegão, Ashraf Ghani, após terem tomado o controlo de 28 das 34 capitais provinciais em dez dias, e sem grande resistência das forças de segurança governamentais, no âmbito de uma grande ofensiva iniciada em maio - altura em que começou a retirada das tropas norte-americanas e da NATO do país, que deverá ficar concluída no final deste mês.

Um porta-voz do movimento islâmico radical, que governou no Afeganistão entre 1996 e 2001, disse no domingo à televisão pública britânica BBC que os talibãs pretendem assumir o poder no Afeganistão "nos próximos dias", através de uma "transição pacífica", 20 anos após terem sido derrubados por uma coligação liderada pelos Estados Unidos, pela sua recusa em entregar o líder da Al-Qaida, Osama bin Laden, após os atentados de 11 de setembro de 2001.

Esta segunda-feira, numa mensagem de vídeo, o mullah Baradar Akhund, chefe do gabinete político talibã no Qatar, fez a primeira declaração pública de um líder talibã após a conquista do país, anunciando o fim da guerra no Afeganistão, com a vitória dos talibãs, após a fuga no domingo do Presidente, Ashraf Ghani, e a captura de Cabul.

Com a partida de Ghani, um grupo de líderes políticos formou o Conselho de Coordenação para a transição de poder para os talibãs, composto pelo ex-presidente afegão Hamid Karzai, o presidente do Alto Conselho para a Reconciliação, Abdullah Abdullah, e o líder do partido Hizb-e-Islami e antigo senhor da guerra, Gulbuddin Hekmatyar.

No entanto, os talibãs não forneceram, até agora, informações sobre como funcionará o processo de transição ou a tomada do poder.