Afeganistão

Afeganistão. Talibãs prometem proteger o país e honrar as mulheres

Rahmat Gul

O discurso dos talibãs, na primeira conferência de imprensa desde a tomado do poder, incluiu ainda a promessa de que os órgãos de comunicação social privados "irão manter-se independentes".

Um porta-voz dos talibãs prometeu esta terça-feira que o movimento radical islâmico, que conquistou o poder no país nos últimos dias, vai proteger o Afeganistão, garantindo que não são movidos por qualquer desejo de vingança.

"Estão todos perdoados", afirmou Zabihullah Mujahid, em conferência de imprensa realizada esta terça-feira em Cabul, insistindo que não haverá vingança mesmo para aqueles que colaboraram com o Governo anterior ou com as forças estrangeiras nos últimos 20 anos.

"Garantimos que ninguém vai bater à porta de ninguém para perguntar por que ajudou" o anterior Governo ou as forças estrangeiras, disse.

O porta-voz assegurou também que os direitos das mulheres "serão honrados pela lei islâmica", tema que constitui uma das maiores preocupações da comunidade internacional, já que, quando ocuparam o poder, entre 1996 e 2001, os talibãs restringiram severamente a vida das mulheres e meninas, proibindo-as de estudar, trabalhar, conduzir ou andar na rua desacompanhadas.

O discurso de Mujahid incluiu ainda a promessa de que os órgãos de comunicação social privados "irão manter-se independentes", embora tenha sublinhado que os jornalistas "não devem trabalhar contra os valores nacionais".

Além disso, adiantou o porta-voz, o Afeganistão "não irá abrigar no país ninguém que queira atacar outras nações" - numa referência ao facto de o país ter sido considerado um santuário de grupos terroristas até 2001 -, lembrando que essa foi uma exigência do acordo firmado com a administração Trump, em 2020, e que levou à retirada dos efetivos militares dos Estados Unidos e da NATO.

O movimento fundamentalista já tinha declarado anteriormente uma "amnistia geral" para todo o Afeganistão e pedido às mulheres que se juntassem ao futuro governo, numa tentativa de convencer a população de que os líderes talibãs mudaram e de acalmar o caos que tomou conta da capital e, sobretudo, do aeroporto de Cabul, onde milhares de pessoas desesperadas tentaram fugir do país, na segunda-feira, depois de os talibãs declararem vitória.

Apesar das promessas, a maioria da população mantém-se cética, com as gerações mais velhas a recordarem nitidamente o ultraconservadorismo islâmico defendido pelos talibãs nos anos 1990, incluindo as severas restrições às mulheres, os apedrejamentos e amputações públicas e o isolamento em relação ao resto do mundo.

Os talibãs conquistaram Cabul no domingo, culminando uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista, que acolhia no seu território o líder da Al-Qaida, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A tomada da capital pôs fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal.

Cabul amanheceu esta terça-feira mais calma, com os talibãs a patrulhar as ruas e muitos residentes fechados nas suas casas, receosos do que serão os próximos dias e das consequências de um dos primeiros atos dos talibãs no poder: abrir as portas das prisões e permitir saques nas cidades.

Muitas mulheres expressaram já o medo de que a experiência ocidental das últimas duas décadas e a expansão dos seus direitos não sobreviva ao ressurgimento dos talibãs.

Entretanto, a Alemanha anunciou ter suspendido a ajuda ao desenvolvimento do país devido à tomada de poder pelos talibãs.

Como esta é uma receita crucial para a economia do Afeganistão, alguns observadores internacionais já avançaram com a hipótese de os esforços dos talibãs para projetar uma versão mais branda de si mesmos poder ter como objetivo garantir que o financiamento alemão volte a fluir.

Veja também:

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros