Assalto em Tancos

Alegado líder do furto de Tancos quer devolver as armas roubadas

João Paulino pede uma redução de pena em troca da colaboração com a Justiça

O principal arguido no caso de Tancos e alegado mentor do roubo das armas decidiu colaborar com a Justiça. Em troca quer uma redução de pena.

Segundo o despacho do tribunal, a que a SIC Notícias teve acesso, João Paulino, que está atualmente em prisão domiciliária, afirma estar “disponível para entregar o resto do material subtraído nos Paióis Nacionais de Tancos”.

O requerimento foi entregue no Tribunal de Santarém, onde decorre o julgamento, e o Ministério Público concorda com a possibilidade de redução da pena em troca da colaboração do alegado líder do furto.

O tribunal já deu autorização à Unidade Nacional Contraterrorismo da Polícia Judiciária para apreender o armamento em falta.

O processo do furto de Tancos tem 23 arguidos, entre os quais está o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes.