Assalto em Tancos

Tancos. Ex-diretor da PJ Militar Luis Vieira condenado por violação de segredo de justiça

A juíza salientou que violar segredo de justiça é um atentado ao estado de direto e que a conduta do coronel foi grave pelas funções que exercia.

O ex-diretor da Polícia Judiciária Militar Luis Vieira foi esta terça-feira condenado por violação de segredo de justiça ao pagamento de uma multa de 2.400 euros, no Tribunal Criminal de Lisboa.

O coronel Luis Vieira, que é arguido no processo de Tancos e segundo o Ministério Público um dos implicados na encenação da recuperação do material furtado dos paióis, começou em março a ser julgado por violação de segredo de justiça por ter partilhado informações da investigação com o antigo ministro da Defesa Azeredo Lopes e outros militares.

Na leitura da sentença, a juíza salientou que violar segredo de justiça é um atentado ao estado de direto e que a conduta do coronel foi grave pelas funções que exercia.

A defesa do ex-diretor da PJM já disse que ia recorrer da sentença.

Para o Ministério Público, Luis Vieira violou o segredo de justiça quando partilhou, por diversas vezes e com vários intervenientes, informações do processo criminal sobre o furto do armamento que estava a ser investigado e às quais teve acesso pelas funções que exercia na Polícia Judiciária Militar.

Veja também: