Eleições Autárquicas

Autárquicas. Chega averigua "erro ou confusão" em Valpaços e Chaves

Candidatos do Chega repetidos em dois concelhos.

O presidente do Chega, André Ventura, disse esta sexta-feira estar a tentar apurar se houve "erro ou confusão na entrega das listas" de candidatura às Câmaras de Valpaços e Chaves, onde há candidatos que se repetem, violando a lei eleitoral.

"Sinceramente não consegui ainda identificar essa situação. (...) Estou a tentar apurar com as distritais respetivas e com os mandatários se houve algum processo de erro e se houve confusão na entrega das listas. Estou a tentar que, depois de apurada a situação (...) ainda seja possível judicialmente resolver o problema", afirmou em declarações aos jornalistas no Porto, onde reagiu às suspeitas de violação da lei eleitoral.

O JN avança hoje que o partido de André Ventura entregou candidaturas autárquicas a 220 dos 308 concelhos do país - o dobro alcançado por partidos como o Bloco de Esquerda -- havendo, contudo, suspeitas de violação da lei eleitoral nas listas do partido, que tem candidatos cujos nomes se repetem em pelo menos em dois concelhos: Valpaços e Chaves.

A lei diz que "nenhum cidadão pode candidatar-se simultaneamente a órgãos representativos de autarquias locais territorialmente integradas em municípios diferentes".

Ventura sublinhou que para um partido "que não tem três anos" o "feito histórico" alcançado pelo Chega ao apresentar-se às eleições autárquicas de 26 de setembro com 220 candidaturas, pode gerar "precipitações" e um "avolumar de trabalho muito grande".

O presidente do partido acredita, contudo, que este caso não ameaça a representação do Chega nas eleições autárquicas de setembro.

"Acho que, a acontecer, será numa câmara ou noutra, ou em duas ou três, em 220 não será. A informação de que disponho agora é que nos principais centros urbanos, onde também há mais votos, tem corrido tudo bem e as candidaturas foram aceites e estão a ser processadas formalmente de forma correta. Isso significa que a noite eleitoral de 26 de setembro permitirá efetivamente ser um barómetro sobre se o Chega consegue ou não ser a terceira força política à frente do Bloco de Esquerda. É isso que eu espero", declarou.