Ciclone Idai

Papa visita Moçambique na primeira semana de setembro

MAURIZIO BRAMBATTI / EPA

Anúncio foi feito pelo Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, e pelo Vaticano que acrescentou as visitas a Madagáscar e às ilhas Maurícias.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou hoje numa comunicação ao país que o Papa Francisco visita Moçambique na primeira semana de setembro, considerando que se trata de um "momento histórico".

Em comunicado, a Santa Sé anunciou que o Papa fará uma visita de seis dias a três países africanos em setembro.

"Sua Santidade o Papa Francisco efetuará uma viagem apostólica a Moçambique, Madagáscar e ilhas Maurícias de 4 a 10 de setembro, visitando as cidades de Maputo em Moçambique, Antananarivo em Madagáscar e Port-Louis nas Maurícias".

O programa detalhado de toda a viagem será divulgado mais tarde.

Moçambique confirma cinco mortes por cólera

As autoridades moçambicanas confirmaram hoje que há um surto de cólera na Beira, doença cuja proliferação, a par da malária, são mais receadas após o ciclone Idai.

Em declarações à RTP, o Diretor Nacional de Assistência Médica em Moçambique, Ussene Isse, confirmou a morte de cinco pessoas no bairro da Munhava, o mais populoso da cidade da Beira, na província de Sofala.

À Lusa, o​ mesmo responsável disse que os casos podem não ter uma relação direta com a destruição provocada pelo ciclone. No entanto, conter a proliferação de cólera é uma das prioridades das autoridades devido à falta de condições sanitárias agravada pela tempestade.

Ussene Ice disse que as autoridades moçambicanas estão a trabalhar para evitar o alastramento da doença.

"A cólera é uma doença epidémica e que se pode alastrar com muita rapidez na província e termos situações críticas", disse Ussene Ice.

O embrião da cólera provém de um poço no bairro da Munhava e as autoridades moçambicanas estão a trabalhar para que as pessoas não bebam daquela água.

"Há medidas preventivas de bloqueio para que as pessoas não possam usar esta água", disse Ussene Ice, acrescentando que as autoridades estão a realizar campanhas de sensibilização e a distribuir produtos purificadores de água.

"Todas as pessoas com diarreias graves, uma das nossas principais preocupações, estão ser assistidas num centro de tratamento das doenças diarreicas e nos postos satélite que foram criados ao nível da periferia", afirmou.

No sábado, as autoridades moçambicanas vão receber mais de um milhão de doses de vacinas contra a cólera e na próxima semana vai começar uma campanha de vacinação.

"Isto só não resolve o problema, é necessário que as pessoas acatem as medidas de prevenção", concluiu Ussene Ice, acrescentando que os centros de acomodação são também uma prioridade nas ações de prevenção contra a cólera.

Portugal envia 600 doses de vacinas para Moçambique

Total de afetados ultrapassa os 800 mil no centro de Moçambique

O número de pessoas afetadas pelo ciclone Idai no centro de Moçambique ultrapassou hoje as 800.000 no registo das autoridades, segundo uma atualização que mantém o número de mortes em 468.

O total de população afetada é agora de 803.984 pessoas, segundo informação distribuída pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC).

O número de pessoas salvas subiu de 127.626, registado na terça-feira, para 135.827.

Há 135.827 pessoas em 161 centros de acolhimento, mais sete centros que na terça-feira e mais 8.201 utentes.

Ainda segundo a atualização de hoje, os abrigos e bens não alimentares chegam a 28.146 famílias, um aumento de cerca de 3.700 famílias beneficiadas.

Com Lusa e RTP

  • Aldeia de Roberto Leal recebe notícia da morte com consternação
    2:02