Coronavírus

O que vai acontecer aos portugueses que regressem de Wuhan?

O que vai acontecer aos portugueses que regressem de Wuhan?

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, explica.

Especial Coronavírus

A diretora-geral da Saúde assegura que os portugueses a retirar de Wuhan vão ser avaliados à chegada a Portugal para determinar eventuais medidas de isolamento. Graça Freitas diz que é o historial inicial que determina o risco de exposição do coronavírus.

VÃO SER AVALIADOS NA CHEGADA A PORTUGAL

Os portugueses a retirar de Wuhan serão avaliados à chegada a Portugal para determinar o risco de exposição ao novo coronavírus e só depois serão tomadas eventuais medidas de isolamento social.

"A primeira coisa que temos que perceber quando chegarem é o risco que têm de poder ter contraído uma infeção. Se o risco for muito pequeno não se tomam medidas", explicou a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

"Pedimos às pessoas que vinham assintomáticas, que poderiam ou não estar a incubar o vírus, que fizessem isolamento social voluntário", ou seja, que ficassem num quarto sozinhas e tivessem o mínimo de contacto com as pessoas.

"Se os portugueses já estiveram nos últimos 14 dias nas suas casas em Wuhan, não tiveram contactos com pessoas ou animais, não estiveram expostos a nada, não têm sintomas, não há nenhum motivo para os colocar em isolamento social", defendeu Graça Freitas.

Para a responsável da autoridade de saúde portuguesa, são estas "medidas de bom-senso que se devem tomar".

Lembrou ainda que a pessoa só vai para o hospital se tiver sintomas.

CORONAVÍRUS

Os primeiros casos do vírus "2019 -- nCoV" apareceram em meados de dezembro na cidade chinesa de Wuhan, capital e maior cidade da província chinesa de Hubei, quando começaram a chegar aos hospitais pessoas com uma pneumonia viral. Os sintomas destes coronavírus são mais intensos do que uma gripe e incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias, incluindo falta de ar.

Veja também:

  • Governo admite aumento de pressão sobre os hospitais

    Coronavírus

    No dia em que o balanço da Direção Geral de Saúde dá conta de 311 mortes e 11.730 casos de Covid-19 em Portugal, o Governo admite que aumentou a pressão sobre os hospitais. Esta segunda-feira, ficou ainda a saber-se que o País já tem um mapa de risco de infeção por coronavírus. Em Londres, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson está internado nos cuidados intensivos. Em Espanha, o número de óbitos desceu pelo quarto dia consecutivo. Já os Estados Unidos ultrapassaram as 10 mil mortes. A pandemia do novo coronavírus já matou, desde dezembro, 73.139 pessoas e infetou mais de 1,3 milhões em todo o mundo.

    SIC Notícias