Coronavírus

Cinco mortos confirmados por coronavírus em Itália

Cinco mortos confirmados por coronavírus em Itália

Quase 220 pessoas infetadas pelo coronavírus e 11 municípios isolados no norte do país.

Especial Coronavírus

A medida que afeta mais de 50 mil pessoas que não podem entrar, nem sair, das localidades identificadas como sendo o centro da propagação do coronavírus e onde, para poderem circular nas ruas, os habitantes são obrigados a usarem máscaras e luvas de proteção.

A decisão, imposta pelo governo, pretende tentar circunscrever a difusão da pneumonia viral e as autoridades já reconheceram que pode vir a ser alargada a outras vilas e cidades e afetar, direta ou indiretamente, mais de 27 milhões de italianos.

Ao todo, em Itália, já há 5 mortos confirmados e quase 220 pessoas infetadas.
As autoridades das maiores regiões do norte do país, Lombardia, Piemonte e Veneto, decidiram encerrar escolas, universidades e alguns tribunais.

Também foram cancelados vários eventos desportivos incluindo diversos jogos de futebol da série A e até o famoso carnaval de Veneza, foi suspenso.

Dos 5 mortos em Itália, vítimas do coronavírus, 4 eram residentes na região da Lombardia, cuja capital é Milão.

É uma das regiões mais ricas do país, e onde estão sediadas algumas das mais importantes empresas italianas e internacionais.

A maior parte decidiu fechar as portas esta semana para tentar evitar a propagação da pneumonia viral.

E já se notam os efeitos nos mercados financeiros.

A bolsa de Milão caíu mais de 4%, pouco depois da abertura, e subiu a taxa de juro da dívida italiana.

Várias empresas ficaram com a venda de ações suspensa por excesso de desvalorização.

Mais a sul, em Roma, cidade de mais de 3 milhões de habitantes, e onde todos os dias entram centenas de milhar de turistas, esta segunda feira ainda não se viam máscaras nas ruas.

Mas há, obviamente, um sentimento generalizado de preocupação.

Para já, Roma não impôs medidas de restrição a quem vem do norte do país.

Mas, durante a madrugada, o presidente da região Basilicata, no extremo sul da península italiana, decidiu emitar um decreto que obriga todos os que venham das regiões nortenhas, a cumprirem 14 dias quarentena.