Coronavírus

Um primeiro-ministro "à alemã" e um Presidente que se pudesse "já lá estava"

Primeiro-ministro insiste na importância de respeitar o distanciamento social, enquanto o Presidente da República não prescinde da proximidade dos afetos.

Saiba mais...

António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa têm assumido posturas diferentes. O primeiro-ministro sublinha a importância das medidas de prevenção, enquanto o Presidente da República entende que não há, para já, razões que justifiquem a alteração do seu comportamento ou o cancelamento de iniciativas da Presidência.

No dia em que o Primeiro-ministro visitou o Hospital de São João, no Porto, Marcelo Rebelo de Sousa disse que "por vontade do Presidente, já lá estava", mas que deve ser dada primazia ao Governo e que só irá quando o Executivo entender que é adequado.

Na resposta, o Primeiro-ministro diz que o Presidente não precisa de autorização do Governo e que é sempre bem vindo, ainda que neste momento estejam em causa, sobretudo, funções executivas.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros