Coronavírus

Xtravel adia viagem de finalistas devido à pandemia de Covid-19

Viagem adiada para dezembro.

Especial Coronavírus

A agência Xtravel anunciou hoje que adiou a viagem de finalistas a Punta Umbría, em Espanha, para dezembro.

A viagem estava inicialmente prevista para 28 de março a 3 de abril e os cerca de 10 mil alunos que estavam inscritos já tinham pago 600 euros.

A organização acredita que em dezembro já haverá condições de realização da viagem.

"A informação mais recente leva-nos a tomar uma única decisão possível: adiar a realização do Festival para o mês de dezembro, partindo do pressuposto que até lá estarão reunidas todas as condições de segurança", adiantou à Lusa a XTravel, em comunicado."

Por causa do novo coronavírus, a maioria dos pais já tinha pedido o reembolso, mas a agência anunciou que só iria devolver 30% do valor já pago. Apenas quem tinha cancelado até um mês antes da data inicial da viagem teve direito a 70% do valor.

Em comunicado a agência acrescentou ainda que a vontade da maioria dos inscritos seria a manutenção da data.

"Em nome do interesse público e dos nossos valores éticos, que desde o início sempre nos nortearam, e em face dos mais recentes desenvolvimentos de casos de infeção dentro da faixa etária da maioria dos participantes, tomámos esta decisão, ainda que a vontade expressa da grande maioria consista na manutenção do evento na data prevista."

A Deco apelou, esta quarta-feira, a um esclarecimento por parte do Governo sobre as viagens de finalistas a Espanha, que permita resolver o impasse sobre 10 mil viagens de alunos, integralmente pagas, e que tinham partida marcada para 28 de março.

Os pais dos 10 mil alunos enviaram na terça-feira uma carta aberta à ministra da Saúde, ao ministro da Educação e à Diretora-Geral da Saúde, acusando a XTravel de "recusa cancelar a viagem de finalistas/Festival Village (FV2020)"

A agência de viagens, num comunicado publicado no Facebook na terça-feira, recordou que "existem vínculos contratuais que ligam a Xtravel a organizadores do evento e, por sua vez, a prestadores de serviços de hotelaria, transportes, produção, artistas, entre outros". E lembrou ainda que, ao tempo da sua celebração do contrato de viagem, não era razoável prever-se um cenário como o atual e afirma que não é legalmente possível à Xtravel reclamar junto dos seus parceiros o ressarcimento de uma parte significativa dos valores já pagos ao longo dos últimos meses, quando também eles já incorreram em custos.

Veja também:

  • 3:04