Coronavírus

Abraço cria linha de apoio para doentes com sida esclarecerem dúvidas sobre coronavírus

A linha tem o objetivo de dar respostas à ansiedade das pessoas.

Especial Coronavírus

A associação Abraço criou uma linha telefónica e um email de apoio psicológico para pessoas infetadas com VIH/sida "que visa dar resposta às suas ansiedades" no âmbito da pandemia de covid- 19, anunciou esta sexta-feira a instituição em comunicado.

"Esta linha irá funcionar via telefone e email e o seu objetivo é ajudar as pessoas com crises, medos e ansiedades associadas a esta situação do COVID-19, que implica o isolamento social. A Associação Abraço continua a prestar apoio a todos os seus utentes, de acordo com as recomendações sanitárias da Direção-Geral da Saúde, recorrendo a consultas telefónicas, redes sociais ou dando resposta presencial às suas necessidades", lê-se no documento.

Segundo a presidente da Abraço, Cristina Sousa, citada no comunicado, a criação da linha de apoio justifica-se pelas "muitas chamadas" recebidas pela Abraço por pessoas que vivem com a infeção de VIH/sida, mas que não são acompanhadas pela associação e que manifestam "dúvidas e receios".

O objetivo, explicou Cristina Sousa, é "oferecer uma resposta especializada" a estas pessoas que podem encontrar na Abraço um apoio "mais direcionado e profissional de acordo com os problemas que estão a viver".

A Abraço é uma associação que trabalha com as pessoas infetadas por VIH/sida e com a população em geral numa perspetiva de prevenção e inclusão social.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 250 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 10.400 morreram.Das pessoas infetadas, mais de 89.000 recuperaram da doença.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 1.020, mais 235 do que na quinta-feira.O número de mortos no país subiu para seis.

Dos casos confirmados, 894 estão a recuperar em casa e 126 estão internados, 26 dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI).

O boletim divulgado pela DGS assinalava 7.732 casos suspeitos até quinta-feira, dos quais 850 aguardavam resultado laboratorial.Das pessoas infetadas em Portugal, cinco recuperaram.

Veja também: