Coronavírus

Covid-19: Conselho Europeu convida Eurogrupo a apresentar propostas

ANTÓNIO PEDRO SANTOS

Os líderes dos 27 adotaram uma declaração conjunta que convida o Eurogrupo a apresentar propostas, que "tenham em conta a natureza sem precedentes do choque de covid-19".

Especial Coronavírus

Os chefes de Estado e de Governo da UE acordaram esta quinta-feira uma declaração na qual "convidam" o Eurogrupo a apresentar dentro de duas semanas propostas que tenham em conta os choques socioeconómicos sem precedentes causados pela pandemia de covid-19.

Ao fim de cerca de seis horas de discussões, através de videoconferência, os líderes dos 27 adotaram uma declaração conjunta que, no capítulo dedicado a como "enfrentar as consequências socioeconómicas" da pandemia, convida o fórum de ministros das Finanças da zona euro, presidido por Mário Centeno, a apresentar propostas "dentro de duas semanas", que "tenham em conta a natureza sem precedentes do choque de covid-19", que afeta as economias de todos os Estados-membros.

"A nossa resposta será reforçada, se necessário, com mais ações de uma forma inclusiva, à luz dos desenvolvimentos, de modo a darmos uma resposta abrangente", lê-se na declaração do Conselho Europeu.

Em relação ao 'esboço' de declaração que antes circulava - e que segundo fontes diplomáticas o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, se recusou a assinar -, a alteração prende-se com o prazo dado ao Eurogrupo para avançar com propostas (agora no plural), quando a versão original solicitava aos ministros das Finanças que, em breve, aprofundassem "as especificações técnicas" da sua discussão na reunião de terça-feira.

Nessa reunião, os ministros das Finanças da zona euro privilegiaram como solução o recurso a uma linha de crédito com condicionalidades do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), solução que não agrada a um conjunto de países, entre os quais Itália, Portugal e Espanha, que, juntamente com outros países, reclamaram antes a emissão de dívida conjunta europeia ('eurobonds', ou 'coronabonds').

Questionado sobre a carta que lhe foi dirigida pelos chefes de Estado e de Governo de nove Estados-membros nesse sentido, o presidente do Conselho Europeu garantiu que foram discutidas "todas as possibilidades" mas que essa discussão deve prosseguir, pois em várias questões os 27 estão em sintonia, "mas noutras" - sem precisar quais - "ainda é preciso trabalho".

Veja também: