Coronavírus

Covid-19 é a "pior crise desde que a organização foi fundada", diz António Guterres

K.M. Chaudary

Sem uma resposta global, Guterres alertou que o mundo terá de "enfrentar o pesadelo de a doença se espalhar como um incêndio de grandes proporções".

Saiba mais...

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres pediu esta terça-feira a cooperação global para aquela que poderá ser a "pior crise desde que a organização foi fundada", com especial atenção ao hemisfério sul e continente africano.

Guterres lançou um relatório da ONU intitulado com a mensagem principal: "Responsabilidade compartilhada, solidariedade global: responder aos impactos socioeconómicos da Covid-19" e exigiu a cooperação de todos os países numa ação global para testes, despiste e tratamento da doença, sob orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Numa declaração virtual, António Guterres voltou a exigir que os países mais desenvolvidos ajudem os menos desenvolvidos, nomeadamente em África, a enfrentar a crise provocada pela pandemia do coronavírus, a pior crise desde a II Guerra Mundial.

O chefe da ONU disse esta terça-feira que os cinco biliões de dólares já alocados em todo o mundo para a resposta à crise da Covid-19 não são suficientes, já que "a maior parte do dinheiro foi mobilizado por países desenvolvidos para apoiar as suas próprias economias".

Guterres diz que é necessária uma resposta global, abrangente e multilateral a que seja dedicada 10% da riqueza global produzida no mundo, pediu "mecanismos inovadores" para soluções da crise e declarou que a recuperação depois da Covid-19 tem de constituir uma "nova economia, com sociedades mais fortes e resilientes".

O continente africano é a principal preocupação para o secretário-geral da ONU, que encorajou o grupo G20 a colocar em prática a Iniciativa para África e incentivou o Fundo Monetário Internacional (FMI) ou outras instituições financeiras a proceder à "injeção de recursos" nas economias mais vulneráveis.

António Guterres acrescentou que a "prioridade" nesta ação mundial é o alívio da dívida e pediu que se renuncie a taxas de juro para os créditos relativos a todo o ano de 2020.

O secretário-geral também sugeriu que a liquidez financeira seja conseguida com a cooperação entre bancos centrais e com as linhas "swap" de troca de moeda.

Sem uma resposta global, com "responsabilidades partilhadas", Guterres alertou que o mundo terá de "enfrentar o pesadelo de a doença se espalhar como um incêndio de grandes proporções, com milhões de mortes e a possibilidade de a doença poder reemergir nos locais onde foi suprimida".

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O chefe da ONU explicou que a Covid-19 é a pior crise desde que a organização foi fundada, em 1945, por representar uma "combinação de uma doença que ameaça todos no mundo com o impacto económico e que traz uma recessão sem paralelo no passado recente".

A organização internacional pede uma ação forte e em grande escala, "à medida da crise mundial", coordenada e compreensiva.

A ONU escreve que o relatório lançado hoje é "um apelo à ação, para a resposta imediata à saúde necessária para suprimir a transmissão do vírus, para concluir a pandemia, e enfrentar as muitas dimensões sociais e económicas desta crise.

É, acima de tudo, um apelo para focar nas pessoas - mulheres, jovens, trabalhadores com baixos salários, pequenas e médias empresas, no setor informal e em grupos vulneráveis que já estão em risco".

Guterres sublinhou que se trata "não só de uma questão de aumentar liquidez no sistema financeiro, mas apoiar diretamente os que perderam empregos e salários, pequenas empresas que não podem operar e todos aqueles que são as fábricas das nossas sociedades". "Somos tão fortes como o sistema de saúde mais fraco do nosso mundo interligado", declarou Guterres.

  • A escola como uma gigantesca perda de tempo

    País

    Pode ser Eva. Fez um teste de Geografia e foi a única da turma a ter negativa. Dos seus olhos formosos e inexpressivos, num rosto negro como o touro do Herberto Helder, ruíram-lhe duas lágrimas. Mas daquelas que represam tanta água - tanta mágoa - que deixam cicatrizes aquosas. 43%.

    Opinião

    Rui Correia