Coronavírus

Simone Biles assume desafio "mental" com adiamento de Tóquio 2020

Wolfgang Rattay

Atleta que pensava terminar a carreira no verão.

Especial Coronavírus

O adiamento dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 para 2021 devido à pandemia da Covid-19 vai afetar mentalmente todos os atletas, considerou a norte-americana Simone Biles, a ginasta mais medalhada de todos os tempos.

"Fisicamente, não tenho dúvidas de que os meus treinadores me vão pôr em forma em 2021, mas, mentalmente, ao passar mais um ano, acho que se vai notar e vai pesar a todos. Temos de nos manter em forma tanto física como mentalmente", disse atleta que pensava terminar a carreira no verão e vai competir em Tóquio com 24 anos.

O novo coronavírus ditou que os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 vão ser disputados entre 23 de julho e 08 de agosto de 2021, quando inicialmente iriam decorrer entre 24 de julho e 9 de agosto deste ano.

Biles vai ter assim de competir mais um ano:

"Eu não sabia muito bem o que sentir. Estava no ginásio e fiquei meio sem reação, sentada. Chorei, mas afinal foi a decisão certa. É preciso garantir que todos nos Estados Unidos e no Mundo estejam seguros".

Agora, a quatro vezes campeã olímpica e 19 vezes campeã mundial vai reunir-se com os treinadores e reformular planos "para voltar forte em 2021", ciente de que "agora começa uma nova história" rumo a uma competição à qual chegará com 24 anos.

Face à covid-19, Biles está a trabalhar em casa, mas mantém contacto diário com os seus treinadores, através das novas tecnologias. A ginasta de Houston tem dominado a modalidade na última década e não perde uma competição de 'all-around' desde 2013.