Coronavírus

Brasil tem quase 300 mortos e regista terceiro dia seguido com mais de mil infetados

Rodolfo Buhrer

Informou esta quinta-feira o Governo brasileiro.

Especial Coronavírus

O Brasil tem 299 mortos e 7.910 infetados pelo novo coronavírus, naquele que é o terceiro dia consecutivo em que o país sul-americano ultrapassa os mil casos confirmados da covid-19, informou esta quinta-feira o Governo brasileiro.

Segundo o executivo brasileiro, liderado pelo Presidente Jair Bolsonaro, a taxa de mortalidade da covid-19 no Brasil subiu hoje para 3,8%, sendo que 85% dos mortos apresentava pelo menos um fator de risco.

Nas últimas 24 horas o Brasil somou 58 mortos, o maior número registado desde a chegada da pandemia ao país.

De acordo com os dados hoje divulgados pela tutela da Saúde, aumentou para 22 o número de unidades federativas do Brasil a registarem óbitos devido ao novo coronavírus: Amazonas, Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Piauí, São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás, Paraná, Paraíba, Mato Grosso do Sul, Pará, Sergipe, Rondônia, Maranhão, Santa Catarina, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul.

O Ministério da Saúde anunciou hoje um novo dado acerca da circulação do novo coronavírus em território brasileiro.

Apesar de o primeiro caso ter sido divulgado em 26 de fevereiro, o executivo informou que houve uma hospitalização devido à covid-19 no final de janeiro.

Segundo o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, o caso remonta a 23 de janeiro e foi importado, ou seja, contraído no estrangeiro."Lembrem-se que estamos a fazer a investigação de casos internados.

Muitos desses casos estão com material colhido e nós tivemos, a partir de investigação retrospetiva, a identificação do primeiro caso confirmado, ele é da semana epidemiológica quatro, de 23 de janeiro", disse o secretário em conferência de imprensa.

Segundo Wanderson de Oliveira, o mesmo aconteceu com a epidemia do vírus Zika no Brasil."Inicialmente achávamos que os primeiros casos eram de abril de 2015 e, um ano depois, com investigação retrospetiva, verificámos que tinha caso de Zika identificado num banco de sangue na região amazónica desde 2014", disse Wanderson.

De acordo com a imprensa local, o Brasil tem cerca de 23 mil testes para detetar o novo coronavírus à espera do resultado, número que representa quase o triplo dos casos já confirmados.

Numa conferência de imprensa interministerial, feita na tarde de hoje, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, revelou que houve um aumento de 9% no volume de denúncias de violência doméstica durante a pandemia.

Damares frisou que o executivo está preocupado com a possibilidade de aumento da violência doméstica e de abuso sexual de menores durante a pandemia do novo coronavírus devido ao isolamento domiciliário de famílias durante longos períodos.

"No Brasil, já temos indicações, como o estado do Rio de Janeiro, em que há um anúncio de que a notificação da violência contra a mulher neste período é 50% maior em relação ao mesmo período do ano passado", indicou a ministra.

Já o ministro do Turismo do Brasil, Marcelo Álvaro Antônio, anunciou que o Governo vai avançar com uma medida provisória concedendo um prazo de 12 meses para que empresas do setor turístico e cultural reembolsem os consumidores após cancelamento de eventos e viagens.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 51 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.