Coronavírus

Covid-19: Turquia confina jovens com menos de 20 anos e isola cidades

Umit Bektas

Uso de máscara passa a ser obrigatório nos mercados e lojas.

Especial Coronavírus

O Presidente turco, Recep Erdogan, anunciou esta sexta-feira o confinamento obrigatório para os menores de 20 anos, reforçando drasticamente as medidas para conter a propagação do novo coronavírus.

"No nosso país, as pessoas com menos de 20 anos, ou seja as que nasceram depois de 01 de janeiro de 2000, não terão o direito de sair à rua", a partir de sábado, disse Erdogan, numa declaração televisionada.

Com a imposição de medidas mais restritivas de circulação, os veículos não poderão entrar ou sair em 31 cidades turcas, incluindo as duas mais populosas, Istambul e Ancara, durante um período de 15 dias.As pessoas com mais de 65 anos e os doentes crónicos já estavam sujeitos a confinamento obrigatório.

O Presidente turco anunciou ainda que a partir de sábado o uso de máscara passa a ser obrigatório nos mercados e lojas e as pessoas são obrigadas a manter uma distância de três passos, quando circularem nas ruas. Erdogan disse que quem não cumprir as regras fica sujeito a contravenções.

O anúncio das medidas de contenção surge quando a propagação do novo coronavírus acelerou na Turquia, com mais de 20.000 casos registados e 425 mortes, segundo números hoje apresentados pelo ministro da Saúde, Fahrettin Coca.Mais de metade dos casos foram registados em Istambul, capital económica da Turquia, com cerca de 16 milhões de habitantes.

A Turquia tem intensificado as medidas para travar o vírus, fechando escolas, suspendendo voos e proibindo manifestações.

O Parlamento turco também vai analisar, na próxima semana, um projeto de lei que permite libertar cerca de 90.000 reclusos, um em cada três, para aliviar as prisões sobrelotadas do país.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 55 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 200.000 são considerados curados.Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.