Coronavírus

Adiado concurso nacional de acesso ao ensino superior

Candidaturas à primeira fase entre 7 e 23 de agosto, os resultados só serão conhecidos a 28 de setembro.

Especial Coronavírus

Os prazos para a apresentação das candidaturas ao concurso nacional de acesso ao ensino superior foram adiados de forma a acompanhar as alterações nos calendários dos exames de secundário devido à pandemia de Covid-19, anunciou esta quarta-geira a tutela.

Os finalistas do secundário vão poder apresentar as candidaturas à primeira fase do concurso entre 7 e 23 de agosto e os resultados só serão publicados em 28 de setembro.

Já a segunda fase do concurso é adiada para o período entre 28 de setembro e 09 de outubro, com a publicação dos resultados em 15 de outubro.

O novo agendamento do calendário acompanha a decisão do Governo, anunciada pelo primeiro-ministro, António Costa, em adiar a realização dos exames nacionais do ensino secundário - a primeira fase entre 6 e 23 de julho e a segunda entre 1 a 7 de setembro.

Apesar das alterações nos prazos do concurso nacional de acesso, que segundo a tutela representa 77% dos ingressos neste nível de ensino, as datas de início e fim dos períodos letivos são definidas pelas instituições de ensino superior.

À agência Lusa, tanto o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) como o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) manifestaram apoio à decisão do Governo, reforçando a disponibilidade para ajustar as datas do início do próximo ano letivo.

"Podemos estar a falar da publicação de resultados da primeira fase para o final de setembro, o que significa, face ao ano passado, adiar cerca de três a quatro semanas e isso é perfeitamente acomodável", disse à Lusa o presidente do CCISP, Pedro Dominguinhos, antes de serem conhecidas as alterações no concurso nacional de acesso.

António Fontaínhas Fernandes, do CRUP, sublinhou que os reitores transmitiram ao executivo desde o início disponibilidade para alterar o calendário letivo, caso fosse necessário adiar os exames de secundário, considerando que o interesse dos alunos, incluindo dos novos, é uma prioridade das instituições.

Também o Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) aplaudiu a decisão do Governo, que reflete as reivindicações do sindicato para a manutenção do modelo de acesso atual, assente nos exames nacionais.

Gonçalo Leite Velho acrescentou ainda que não é a primeira vez que os exames do secundário se realizam tardiamente e, por isso, esta não é uma situação estranha ao ensino superior.

Além das alterações no calendário dos exames de 11.º e 12.º ano, o primeiro-ministro anunciou também que o regresso às escolas depois de abril só será equacionado para os alunos destes anos de escolaridade.

As decisões do Conselho de Ministros sobre o 3º período de aulas